coronavírus

Se tem menos de 60 anos e foi vacinado com Astrazeneca pode receber 2ª dose de outra vacina

As pessoas com menos de 60 anos que foram vacinadas com uma dose da vacina da Astrazeneca podem receber a segunda dose de uma vacina da Pfizer ou da Moderna.

- publicidade -

As pessoas com menos de 60 anos que foram vacinadas com uma dose da vacina da Astrazeneca podem receber a segunda dose de uma vacina da Pfizer ou da Moderna, segundo uma norma da Direção-Geral da Saúde (DGS).

A norma da DGS, divulgada na sexta-feira, atualizada a Norma 003/2020, relativa à vacina Vaxzevria, designada anteriormente por Astrazeneca.

“Esta norma determina que as pessoas com menos de 60 anos que já foram vacinadas com uma dose de vacina Vaxzevria possam ser vacinadas com uma vacina de mRNA [como a Pfizer ou a Moderna], respeitando o intervalo previsto de 12 semanas após a primeira dose”, refere a DGS no documento publicado no seu ‘site’.

“As pessoas que adiaram a segunda dose do esquema da Astrazeneca, aguardando por nova recomendação da DGS, devem completar a vacinação, logo que possível, com uma dose de vacina de mRNA”, sublinha a norma.

A DGS ressalva que neste esquema misto podem surgir alguns sintomas, como febre, cansaço, inchaço ou dor no local a administração, nos primeiros dias após a vacinação, tal como acontece com todas as vacinas contra a covid-19.

Como tal, aconselha, “as pessoas devem estar atentas a estes sintomas e seguir as indicações do folheto da norma e dos profissionais de saúde”.

Apesar de em Portugal se recomendar que a vacina Vaxzevria seja utilizada em pessoas com 60 ou mais anos, até novos dados serem conhecidos, as pessoas menores dessa idade, que assim o desejem, “numa base de ponderação de risco-benefício individualizada”, podem ser inoculadas com esta vacina desde que se obtenha “o seu consentimento livre e esclarecido”, refere a DGS.

A vacina da farmacêutica anglo-sueca está a ser utilizada em Portugal com limitações de idade, uma vez que, no início de abril, as autoridades de saúde recomendaram a sua administração em pessoas acima dos 60 anos.

Esta decisão surgiu dias depois da Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) ter indicado uma “possível ligação” entre a vacina, que passou a designar-se Vaxzevria, e “casos muito raros” de formação de coágulos sanguíneos, mas salientando que os benefícios de receber o fármaco superavam largamente os riscos dos seus efeitos secundários.


Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui