coronavírus

Pâncreas, coração, rins, cérebro, fígado são também atingidos pelo Covid-19

- publicidade -

Ao invés do que se pensava até agora, que o novo covid-19 apenas atingia os pulmões e vias respiratórias, especialistas sabem agora que o novo coronavírus atinge também o pâncreas, coração, rins, cérebro e o fígado.

O facto de a dimensão dos danos provocados pelo covid-19 ser muito maior do que os especialistas previram inicialmente, deixa os médicos preocupados com os doentes que não foram internados.

Já no início de Maio os médicos apontavam para que estavam a ser detectadas sequelas da doença no coração e no cérebro, além dos pulmões, mas estudos mais recentes dão  conta de que foram também detetados problemas ao nível do pâncreas, rim e fígado, que, em alguns casos, se podem revelar ‘catastróficos’ e com sequelas a durarem meses depois do paciente ter sido infectado.

Eric Topol, cardiologista e diretor do Instituto Translacional de Pesquisa Scripps, em La Jolla, na Califórnia, afirmou que “pensávamos que se tratava apenas de um vírus respiratório. Acontece que ele vai para o pâncreas, para o coração, para o fígado, o cérebro, o rim e outros órgãos, algo que não foi avaliado logo de início”.

Além do desconforto respiratório, os pacientes com Covid-19 podem apresentar distúrbios de coagulação sanguínea que podem resultar em derrames e inflamação extrema que ataca vários sistemas orgânicos.

O vírus também pode causar complicações neurológicas que variam da dor de cabeça, tonturas e perda de paladar ou olfato, a convulsões e confusão.

E a recuperação pode ser lenta, incompleta e cara, com um enorme impacto na qualidade de vida, uma vez que os pacientes que estiveram em unidades de cuidados continuados, ligados a ventiladores durante semanas, vão necessitar de um tempo considerável em reabilitação para recuperar a mobilidade e a força.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui