coronavírus

Estado de Emergência com supermercados abertos depois das 13 horas ao fim de semana

publicidade

A Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) que representa os supermercados e hipermercados garante que os supermercados vão estar abertos depois das 13 horas de sábado e domingo no Estado de Emergência implementando em 121 concelhos do país. A APED tem como associados o Continente, Pingo Doce, Minipreço, Lidl, Dia, Intermarché, Auchan, Aldi ou Mercadona.

“Os nossos associados do retalho alimentar vão cumprir o que está vertido no diploma apresentado pelo Governo no domingo à noite e que refere que a circulação de pessoas depois das 13h, entre outras normas, só poderá ser justificada para abastecimento de bens alimentares e de higiene, para pessoas e animais. Assim sendo, as diversas insígnias do retalho alimentar estarão abertas nos períodos normais para abastecer a população”, afirmou o diretor-geral da APED, Gonçalo Lobo Xavier, ao Jornal Económico.

Os supermercados continuam abertos por se tratarem de uma das 13 exceções previstas na lei ao recolher obrigatório: “Deslocações a mercearias e supermercados e outros estabelecimentos de venda de produtos alimentares e de higiene, para pessoas e animais”.

Recorde-se que esta é precisamente uma das 13 exceções previstas na lei ao recolher obrigatório: “Deslocações a mercearias e supermercados e outros estabelecimentos de venda de produtos alimentares e de higiene, para pessoas e animais”.

Os estabelecimentos podem ainda abrir mais cedo, uma decisão que compete a cada retalhista apenas. “Existe essa possibilidade e temos conhecimento que há operadores que estão a ponderar abrir pelas 8h mas faz parte da decisão comercial de cada retalhista pelo que não temos indicação que seja uma opção que seja alargada a todos e a todas as zonas do país”, explica.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui