Parceiros
AtualidadeCantinho da Bicharada

Cuidados com os animais de estimação perante uma onda de calor

Os alertas estão aí para o calor que se vai fazer sentir nos próximos dias, e até durante todo o mês de Julho.

E se é essencial proteger-nos, e acima de tudo, os idosos e as crianças, desta equação também não podem ficar de fora os animais.


No caso dos animais de estimação, o tutor tem de estar atento e evitar os ‘golpes de calor’ que podem ser fatais.

Acima de tudo, água. Muita água sempre disponível, uma vez que no caso dos cães e dos gatos, estes não suam, mas refrescam-se através da evaporação da humidade durante a respiração.

Caso o animal não tenha água à disposição poderá ficar desidratado.

As tijelas devem ser limpas e a água mudada regularmente, e se achar que os patudos estão a beber pouca água, ou o calor for excessivo, experimente colocar uns cubos de gelo na tijela.

O seu cão gosta de passear? Deve lembrar-se que os passeios e o alcatrão vão estar com temperaturas muito elevadas, que podem causar feridas nas almofadas das patas.

Deixe os passeios para as horas mais frescas da manhã ou de noite, evitando também o risco de uma insolação.

E como pode reconhecer os sinais de insolação num animal? Não é preciso muito, porque o animal dá mostras de estar desconfortável, inquieto e ofegante, com aumento da respiração e da frequência cardíaca, até perderem o estado de alerta e a coordenação, podendo cambalear ou não se levantar.

De imediato o animal tem de ser colocado num local com sombra e fresco e com panos molhados com água à temperatura ambiente no pescoço, axilas e virilha, até ser visto por um veterinário.

Outra coisa que nunca, nunca pode fazer é deixar os animais dentro de carros ou em locais pequenos e fechados sem ventilação.

Pode pensar que ‘são apenas alguns minutos’ a caminho da praia, enquanto vai comprar o jornal, mas esses minutos podem ser mortais.

Mais uma vez, devido ao perigo de insolação e/ou golpe de calor, porque os automóveis acumulam no interior uma enorme quantidade de calor, fazendo com que pareça um forno.

Infelizmente, e ao contrário do que foi propagado, ninguém tem o direito de partir o vidro de uma viatura para resgatar um animal.

As autoridades recomendam que, caso detecte um animal fechado num carro em caso de forte calor, contacte de imediato a PSP ou a GNR, que se deslocará ao local e através da matrícula, verifica o proprietário. É às autoridades que cabe, em caso de necessidade extrema, avançar para a quebra de vidro.

Se for um tutor cuidadoso, é certo que em alguma altura irá levar o seu cão (e até gato, que também já começam a apreciar os passeios ao ar livre), até à praia.

- publicidade -

Mas atenção, mais uma vez a areia escaldante pode ferir as almofadas das patas, e convém ter atenção ao facto de que esta e a água do mar podem irritar a pele do animal, pelo que se recomenda um banho de água doce, logo que possível.

Muitos tutores optam também pelas tosquias, para que o animal não sinta tanto calor.

Mas é preciso cuidado porque o pêlo que protege do frio também protege do calor e do Sol, pelo que nunca se deve cortar rente.

No caso dos animais de pelagem branca, é importante não os expor ao Sol, porque são muito mais sensíveis e desenvolvem cancro da pele.

Para os que saem à rua, pode ser usado um protector solar de alta proteção nas pontas brancas, como as orelhas e patas.

Moradores colocam recipientes com água para as aves em Sevilha, devido ao calor. DR – Facebook

Mas não são apenas os patudos que precisam de cuidados especiais, também para com os passados há que ter cuidados especiais, para amenizar o desconforto.

Se tiver ar condicionado em casa, não coloque a gaiola perto da saída de ar, porque embora as aves tenham uma capacidade natural para se adaptar às variações suaves de temperatura, se ficarem directamente expostas ao ar frio, podem adoecer.

Caso não tenha este equipamento de conforto, o melhor é colocar a gaiola num local escuro, e depois, durante a noite, certifique-se que o animal apanhe uma leve corrente de ar.

Afaste a gaiola das janelas ou de locais que possam ser atingidos diretamente pelo sol.

Verifique várias vezes se a ave tem água fresca suficiente, e troque constantemente se possível.

Outra opção é colocar uma pequena banheira de plástico dentro da gaiola, e se a ave gostar, irá refrescar-se lá. Mas mesmo só a presença desta pode contribuir para alguma sensação de conforto.

Mas não são apenas os animais que estão em casa que necessitam de especial ajuda nestas alturas.

Os animais de rua, nascidos ou abandonados por alguém, são os que mais sofrem com o calor e o frio extremo.

Mesmo que não os alimente, procure que aqueles que passam pela sua residência tenham água para se refrescarem, porque não é por culpa deles que se encontram nessa situação.


Sabia que o Diário do Distrito também já está no Telegram? Subscreva o canal.
Já viu os nossos novos vídeos/reportagens em parceria com a CNN no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!
Siga-nos na nossa página no Facebook! Veja os diretos que realizamos no seu distrito
Siga-nos no Feedly, carreguem em seguir (follow)


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.