AtualidadecoronavírusDestaqueInternacional

Variante tem prevalência de 43% nos novos casos

- publicidade -

A variante associada ao Reino Unido tem neste momento uma prevalência de 43% no número de novos casos de covid-19 registados em Portugal, revelou ontem o primeiro-ministro, em conferência de imprensa após o Conselho de Ministros.

António Costa sublinhou que as novas variantes da covid-19 são um risco que Portugal não deve descurar.

“O segundo risco que é novo e que não devemos descurar é que têm vindo a multiplicar-se as variantes aos vírus. Algumas felizmente ainda não detetadas em Portugal, algumas detetadas em Portugal em número absolutamente confinado, mas outras porém, como a chamada variante britânica, têm tido uma larga prevalência no número de novos casos no nosso país”, disse António Costa.

O chefe do executivo falava no final do Conselho de Ministros que esteve reunido para decidir as novas medidas para o estado de emergência, cuja autorização para a renovação até 01 de março foi ontem aprovada pelo parlamento.

Segundo o primeiro-ministro, a variante detetada no Reino Unido tem “uma prevalência neste momento de 43% no número de novos casos existentes no país”.

“Ninguém sabe, ninguém pode garantir, nem ninguém pode evitar que novas variantes venham a surgir”, alertou António Costa, sublinhando que os portugueses têm de ter “consciência que a situação ainda é extremamente grave”, o que exige o prolongar das atuais medidas de confinamento.

O primeiro-ministro disse ainda que “o número de pessoas a ser vacinadas será menor do que inicialmente previsto” e, neste momento, está a viver-se “uma fase em que há várias novas variantes que exigem cuidado redobrado”.

Em Portugal, morreram 14.885 pessoas dos 778.369 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui