CrimeGuimarães

PSP “arrasta” adeptos croatas para fora da cidade por ser mais seguro

O adjunto da divisão da PSP de Guimarães, Vítor Silva, disse hoje que as 154 pessoas ligadas aos distúrbios de Guimarães, na noite de terça-feira, foram identificadas fora da “zona urbana” por ser mais seguro para a população.

Na sequência de um comunicado divulgado hoje, que dá conta de queixas sobre “aproximadamente 100 indivíduos” a “causarem distúrbios” no centro histórico vimaranense, por volta das 22:30, o comissário da força de segurança confirmou a “movimentação em massa, rápida e muito bem organizada” dos autores, que começaram a ser monitorizados mal chegaram à cidade até serem identificados “nas imediações da Área Metropolitana do Porto”, para onde se dirigiam os cinco autocarros que os transportavam.


“Não foram identificados nem abordados na cidade por questões de segurança para a própria população. Foram abordados numa zona segura para os abordar, identificar e apreender o material que possuíam (…) Para nós, é mais fácil controlá-los fora de uma zona urbana, onde era menos provável que houvesse alteração de ordem pública”, referiu, em conferência de imprensa na esquadra da PSP de Guimarães.

Vítor Silva reconheceu que o “arrastão” se enquadra na “forma organizada e bem planeada” como grupos organizados de adeptos tentam “ocultar a sua organização”, evitando até deslocações internacionais para o aeroporto mais próximo do estádio do jogo, neste caso o Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto.

Questionado sobre os 23 portugueses no rol de identificados e a eventual pertença a um grupo de adeptos do Benfica que tem ligação privilegiada com um grupo de adeptos do Hajduk, o comissário referiu que esses cidadãos identificados têm “cultura de grupo organizado de adeptos”, embora sem confirmar essa ligação.

Quando começou a monitorizar os autores dos distúrbios na chegada a Guimarães, o contingente da PSP no terreno optou por “traçar as movimentações” desses adeptos ao invés de os confrontar diretamente, para mais tarde os identificar fora da zona urbana, e rejeitou quer falhas de comunicação com a polícia croata, quer “falta de efetivo” para um encontro no qual se espera 500 adeptos do Hajduk Split.

Vítor Silva justificou ainda o facto de o Comando Distrital da PSP ter permanecido incontactável após os incidentes com “o excesso de chamadas telefónicas” e a demora em marcar presença na Praça da Oliveira, note-se que o corpo policial chegou hora e meia depois do evento se suceder, com a prioridade dada à identificação dos autores dos distúrbios.

“A primeira preocupação foi retirar os adeptos croatas do centro da cidade. Depois é que regressou ao Largo da Oliveira para falar com as pessoas e proprietários dos estabelecimentos. (…) Até ao momento, não temos ninguém que nos tenha apresentado ferimentos ou queixas”, esclareceu.

Após a derrota da primeira mão, por 3-1, na Croácia, o Vitória de Guimarães recebe hoje a equipa do Hajduk Split, para a segunda mão da terceira pré-eliminatória da Liga Conferência Europa, agendado para as 17:00, no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães.


Sabia que o Diário do Distrito também já está no Telegram? Subscreva o canal.
Já viu os nossos novos vídeos/reportagens em parceria com a CNN no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!
Siga-nos na nossa página no Facebook! Veja os diretos que realizamos no seu distrito
Siga-nos no Feedly, carregue em seguir (follow)


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.