PCP questiona Governo acerca dos cortes nos transportes da Fertagus

Os deputados do PCP eleitos pelo círculo de Setúbal questionaram o Governo sobre a redução de horários na Fertágus e as condições de segurança dos passageiros durante a pandemia de covid-19.

0
publicidadeGearbest Alfawise V8S Max UV Sterilization + Disinfectant Disinfection Wet and Dry Robot Vacuum Cleaner promotion
Tempo de Leitura: < 1 minuto

Os deputados do PCP Bruno Dias e Paula Santos questionaram o Governo pelo facto da empresa Fertagus ter procedido a cortes na oferta, passando a funcionar com um horário equivalente ao Sábado, «o que em si é gerador de mais e desnecessários factores de risco para aqueles que se têm que deslocar por razões de trabalho ou outras previstas nos actuais condicionalismos existentes», refere o comunicado do Gabinete de Imprensa da DORS do PCP.

O PCP pretende esclarecer que medidas vai o Governo tomar para repor o serviço público entretanto cortado na Fertagus e garantir que os utentes dos transportes públicos se transportam em condições de segurança; qual foi o programa de higienização adoptado para os comboios pela Fertagus, e qual o ponto da situação da sua aplicação assim como das restantes instalações da empresa e ainda qual foi o plano de contingência adoptado pela Fertagus, empresa que assume uma importância acrescida na actual situação de crise epidemiológica.

Para os deputados «são conhecidos os problemas sentidos no dia a dia pelos utentes com a falta de oferta do serviço público de transportes, assim como também é conhecido que por essa razão os utentes se confrontam diariamente com maiores dificuldades na sua mobilidade com reflexos negativos na sua qualidade de vida.

Com a crise epidemiológica de COVID-19, o funcionamento regular e fiável deste serviço público assume uma enorme importância no conjunto de medidas tomadas visando o seu combate e a protecção da saúde pública.

Situação que no serviço prestado pela Fertagus assume nas horas de ponta ainda uma maior gravidade pelos riscos acrescidos que gera a concentração de utentes primeiro nas gares e depois nos comboios, contrariando claramente orientações da DGS.

As medidas de higienização e os planos de contingência assumem na resposta à crise epidemiológica um papel decisivo, nesse sentido têm chegado ao nosso conhecimento, diversas queixas sobre a higienização dos comboios veículos que a Fertagus opera.»

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira o seu comentário
Nome