Porto

Metro do Porto reforça oferta e frequência em toda a rede

- publicidade -

A Metro do Porto reforça, a partir de segunda feira e em toda a rede, a sua oferta e frequência, adaptadas ao progressivo desconfinamento decretado pelo Governo no âmbito da pandemia de covid-19, anunciou hoje a empresa.

“A partir de 05 de abril [segunda-feira], o Metro do Porto reforça a sua capacidade e frequência em toda a rede, adequada ao desconfinamento progressivo da comunidade. Com o retomar das aulas e com a reabertura de bastantes setores da economia, estão também de volta os veículos duplos, os serviços Expresso e mais frequências”, refere a empresa, em comunicado.

Assim, a partir de segunda-feira, a “Linha Azul (A) funciona com veículos duplos nas horas de ponta e frequências de 12 minutos” entre as 07:00 e as 20:00, ao passo que, na “Linha Vermelha (B), regressa o “Serviço Expresso” entre as 07:00 e as 20:00 “nos dias úteis e viagens em veículos duplos nas horas de ponta”.

A “Linha Amarela (D) passa a ter todas as viagens em veículos duplos, aumentando fortemente a capacidade, e frequências de 6 minutos nas horas de ponta”.

A “Linha Laranja (F) opera com serviço em veículos duplos nas horas de ponta e frequências de 12 minutos” entre as 07:00 e as 20:00.

Na nota publicada na sua página da internet, o Metro do Porto lembra que a partir de segunda-feira “é de novo permitido circular entre concelhos, os alunos do 2º e 3º ciclo[s] regressam à escola, reabrem os centros de dia, museus, monumentos e grande parte do comércio”.

“Dia 5 de abril, é também um “dia D”, de desconfinar, para o Metro do Porto, uma vez que a oferta se adapta ao previsível aumento da procura. Não esquecendo as recomendações para o cumprimento do distanciamento social, para a desinfeção regular das mãos e para o uso obrigatório de máscara de proteção individual”, adverte a empresa.


Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui