JSD Distrital Setúbal com propostas para Habitação Jovem e alojamento de estudantes deslocados

A JSD Distrital de Setúbal apresentou propostas de Políticas Públicas para facilitar o acesso a habitação própria por parte dos jovens e para garantir alojamento aos estudantes das Instituições de Ensino Superior do distrito que se encontrem deslocados.

0
108
Tempo de Leitura: < 1 minuto

Em comunicado, a JSD Distrital de Setúbal indica que divulgou na sua página de Facebook um documento com propostas de Políticas Públicas para facilitar o acesso a habitação própria por parte dos jovens e para garantir alojamento aos estudantes das Instituições de Ensino Superior do distrito que se encontrem deslocados.

«Tiago Sousa Santos, presidente da estrutura distrital da JSD, acredita que “o acesso a habitação própria é a principal dificuldade sentida pelos jovens do nosso distrito.

O preço das casas tem vindo a subir exponencialmente na região devido à pressão do mercado imobiliário em Lisboa e, por isso, é muito difícil para um jovem sair de casa dos seus pais e começar o seu projeto de vida. Não podemos cruzar os braços e temos de ser uma voz ativa na defesa de soluções para este problema”.

Depois de ter divulgado, no último dia de 2019, um estudo produzido pelo Gabinete de Estudos da estrutura que fazia a análise do panorama imobiliário na Área Metropolitana de Lisboa e no Distrito de Setúbal, a Comissão Política Distrital da “jota” apresentou agora as propostas desenhadas com base naquele.

São quatro as propostas tornadas públicas: aumento em 50% da subvenção mensal do Porta 65 e ajuste anual do valor das rendas máximas à inflação; aumento do teto total para a dedução em IRS de despesas de renda; incentivo à criação de programas municipais de rendas controladas para jovens e jovens casais; aumento do total de camas disponíveis na Faculdade de Ciências e Tecnologias (FCT-UNL) e no Instituto Politécnico de Setúbal (IPS).

“Nós temos de dar soluções a esta geração, que é a mais qualificada de sempre, mas que nem por isso consegue ter rendimentos compatíveis com o valor das rendas das casas. Temos de garantir que esta geração consiga emancipar-se e ter a sua casa e a sua vida. Temos de garantir que os estudantes deslocados tenham condições para fazer todo o percurso académico longe de casa, se assim tiver de ser. Temos de garantir condições para que esta geração se torne independente!”, reitera Tiago Sousa Santos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira o seu comentário
Nome