Atualidade

Grupo Operacional Cinotécnico da PSP assinala 19 anos de existência

- publicidade -

O Grupo Operacional Cinotécnico assinala este sábado 19 anos de existência, tendo sido criado de forma autónoma, na Unidade Especial de Polícia (UEP) a 3 de abril de 2002.

Desde 1939 que é conhecida na PSP a existência de cães de apoio à atividade policial e após várias missões e designações, quer em território nacional quer ultramarino, é agregado no início dos anos 80, como pelotão, no Corpo de Intervenção.

Em 31 agosto de 2007, com a implementação da nova Lei Orgânica da PSP, passou a Subunidade Operacional da Unidade Especial de Polícia, ganhando autonomia e uma maior abrangência de emprego operacional. Esta subunidade tem por lema: ‘SEMPER FIDELIS’.

A atividade cinotécnica tem cada vez maior importância para a operacionalidade da PSP, intervindo em contextos de manutenção e reposição da ordem pública e intervenção tática, patrulhamento, ações de busca e salvamento, execução de diligências judiciais (como buscas para deteção de armas e estupefacientes), ações preventivas de deteção de explosivos e demonstrações junto de público específico.

No último ano esta subunidade teve especial participação em missões de controlo de imigração ilegal nas fronteiras externas da UE em países como a Grécia e Bulgária onde tem sido alvo de rasgados e constantes elogios.

Atualmente e pela primeira vez desde a sua criação, todo o comando da subunidade é composto por oficiais com formação em cinotecnica pelo que se prevê um salto evolutivo nos próximos anos.

Prevê-se em breve a realização do XII Curso de Formação Cinotécnica que permitirá, após conclusão, dotar as Regiões Autónomas dos Açores e Madeira de meios adequados às necessidades operacionais existentes, especialmente no que respeita à segurança aeroportuária e busca e salvamento.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui