Parceiros
Cantinho da BicharadaMundo

Gatos abandonados em zonas de guerra na Ucrânia recolhidos por voluntários em Kiev

- publicidade -

Uma página criada no Facebook pretendia encontrar uma nova família para a gata Cherry, em Kiev, capital da Ucrânia.

No entanto, a invasão militar da Rússia levou as criadoras desta, Maria, Larissa e Olga, a transformá-la numa página onde divulgam as dezenas de gatos que vão recolhendo nas ruas martirizadas do seu país.

«Criámos esta página para encontrar um lar para Cherry. Agora essa menina está com uma nova família, por isso vamos postar outros gatos que estão à procura de amor e lares.»

E na página sucedem-se as histórias de animais famintos, assustados, que não compreendem porque de um momento para outro perderam tudo o que conheciam, sem comida e sem abrigo num país onde as temperaturas ainda estão negativas.

De gatinhos encontrados na casa de uma idosa cujo corpo foi deixado ao lado de um contentor do lixo, a um gato cujo tutor foi combater com o exército ucraniano e o deixou aos cuidados de vizinhos que tiveram de fugir dos bombardeamentos, a uma gata recolhida esquelética das ruas, muitas são as histórias que conta esta página.

E com o crescente número de animais deixados para trás, as voluntárias deixam um apelo: «O fluxo de gatos refugiados é enorme, não há onde os colocar. Por favor, AJUDEM a salvar os pobres gatinhos.»

Também em Kiev situa-se o abrigo ‘O Planeta dos Animais Desabrigados‘, que tem vindo a receber gatos que ficaram abandonados pelos ucranianos em fuga, ou que por qualquer motivo se separaram dos seus tutores, além de recolher alimentos para animais e entregar a cuidadoras que tratam dos animais em cidades com Irpin e Kyiv.


Sondagem | Tem condições para acolher refugiados ucranianos em sua casa?
VOTE AQUI!
Sabia que o Diário do Distrito também já está no Telegram? Subscreva o canal.
Já viu os nossos novos vídeos/reportagens no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!
Siga-nos na nossa página no Facebook! Veja os diretos que realizamos no seu distrito

Escreva um comentário