CDS solicitou esclarecimentos ao Governo e Câmara sobre resíduos em Setúbal

O deputado do CDS-PP no Parlamento, João Gonçalves Pereira questionou o Ministro do Ambiente e a Câmara Municipal de Setúbal sobre a existência de resíduos perigosos em Setúbal

publicidade
Tempo de Leitura: < 1 minuto

O deputado do CDS-PP no Parlamento, João Gonçalves Pereira questionou o Ministro do Ambiente e Ação Climática e a Câmara Municipal de Setúbal sobre o comunicado da ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável, que alertou para a existência, em Setúbal, de milhares de toneladas de resíduos perigosos e às várias notícias que o referido comunicado originou (e independentemente destas), e por considerar que o assunto precisa de cabal esclarecimento dada a sua gravidade.

O CDS-PP pretende saber se o ministro do Ambiente tem conhecimento, se pode confirmar a existência de um depósito ilegal de cerca de 30 mil toneladas de resíduos eventualmente perigosos a cerca de 600 metros das antigas instalações da empresa Metalimex; se nenhuma das entidades sob tutela do Ministério do Ambiente e Ação Climática tinha conhecimento da existência destes resíduos eventualmente perigosos e se este tipo de resíduos são escórias de alumínio, em tudo semelhantes aos provenientes da empresa Metalimex.

O deputado pretende ainda saber que protocolos foram realizados com vista à proteção da saúde pública e também que medidas serão tomadas para a avaliação da eventual contaminação do solo e de águas subterrâneas na zona onde se situa o depósito ilegal.

João Gonçalves Pereira pretende ainda saber que medidas tomou o ministério para apurar responsabilidade, procurar soluções para a retirada dos resíduos, e encontrar um destino adequado.

Por outro lado, o deputado questionou a Câmara Municipal de Setúbal sobre se esta confirma a existência destes resíduos e se sabia destes antes do alerta da ZERO, e que iniciativas foram tomadas pela CMS junto do Ministério da Saúde desde o anúncio oficial da existência destes resíduos e que medidas a autarquia tomou para apurar responsabilidades e retirar os resíduos do local.

Outra questão colocada à Câmara foi o motivo pelo qual «não foram descontaminados os solos em causa aquando das construções quer do Complexo Municipal de Atletismo de Setúbal quer da urbanização que se situa nas imediações».

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira o seu comentário
Nome