Opinião

AB OVO

publicidade

Mas aceita-se que tenha ficado próximo do do trabalho, porque se trata das 2 categorias ou entidades mais dignas e íntegras da vida, sendo que dentro de 2 anos as datas vão coincidir no calendário.

A expressão em epígrafe é da Arte Poética ( 147 ) de Horácio, que nas Sátiras ( 1-3, 6-7 ) até prolonga o trajecto com ab ovo ad mala, isto é, do princípio ao fim.

Todos somos filhos da mãe e esse vínculo liga-nos a ela para a eternidade.

Só que e como Hamlet dizia ao outro shakespeareano olha, Horácio, mais coisas há em céus e terra do que sonha a nossa filosofia.

O problema são efectivamente os grandes filhos. 

1

Nápoles é a cidade mais povoada do sul italiano e conhecida por ser uma das mais loucas do mundo.

Quando em 1990 o capitão argentino Maradona lhe deu o seu segundo scudetto de futebol, os rapazes correram endiabrados para o cemitério e puseram lá um cartaz

Queridos avós, nem sabem o que perderam.

No dia seguinte e no mesmo sítio, apareceu outro letreiro insólito

Quem é que vos disse … ?

A louca Nápoles é também uma das mais belas cidades da terra, mas e como dizia numa das suas elegias o grande Rainer Maria Rilke, o poeta do adeus, a beleza não é senão o princípio do terrível.

 2

O napolitano é essa bela versão do italiano e com acento próprio dentro que vem do tempo de gregos, normandos, romanos, espanhóis sob a égide da dinastia Borbón e até yanquis que ali desembarcaram na 2ª Grande Guerra e ainda de lá não saíram.

Scampia é o distrito da periferia norte e cujo nome em napolitano indica precisamente que confina com a campina.

Foi tradicionalmente o maior supermercado de estupefacientes da Europa e onde historicamente pontificou v.g. o capo camorrístico Paolo di Lauro, que tinha 10 filhos varões e designava cada figlio por ordem cronológica: F 1, F 2, F3, …

Quando enfim em 2005 foi encarcerado para prisão perpétua em regime de isolamento, foram-lhe sucedendo na liderança os rebentos, desde o primogénito Cosimo e que acabaram por conhecer o mesmo destino penitenciário, até chegar ao 4º, o Marco.

Ora, este também foi capturado há pouco mais de um ano.

Estava em fuga havia 14 anos, mas praticamente sempre confinado em casa, só apanhando ar de vez em quando e disfarçado de mulher.

Dizia-se com acerto que era como aquele pianista que jura só sair da sala até ser tão hábil como Mozart.

É que há que definir o território e não se pode governar à distãncia, sob pena de o delegado ou vice mais tarde ou mais cedo querer ocupar o trono.

3

 O certo é que a história não acaba aqui.

O bairro, que foi projectado nos anos 70 como modelar e a breve trecho se converteu neste paraíso logístico do vício ou protótipo de degradação, sobretudo desde que o terramoto de 1980 para ali deportou gente desenraizada e sem identidade, experimenta agora alguma pacificação, graças ao trabalho titânico de anos epicamente desenvolvido pelo ínclito comissário policial Michele Spina.

E este descreve a fragmentação que todavia persiste com uma explicação que é afinal uma verdadeira metáfora actual do mundo.

É que e não obstante a violência crónica, a ausência de grandes caudilhos gerou uma caótica mudança de paradigma, pois falta aquele certo respeito que o seu controlo não deixava de inspirar.

Não há regras nem travão e os rapazes hoje enlouquecem a disparar mutuamente, pilotando ciclomotores sem tubo de escape nem matrícula em contramão e sem capacete.

Quer dizer, todos somos filhos de mãe, mas desafortunadamente há muitos que desvirtuam a génese e podem causar dano aos outros, quantas vezes sem a mãe ter culpa alguma disso.

4

A mãe é o absoluto do sangue, sem ses, sem talvez, sem depois, é o sol do interior que nos escuta sem intervalo e não nos faz nada que não pareça uma festa, a rainha a quem se presta homenagem e de quem a gente guarda nos olhos o rosto sempre lindo, nos ouvidos a voz de menina, no corpo a lembrança das mãos.

Mãe, já não tenho lágrimas para chorar.

A eterna mulher entre as mulheres, na expressão sentida de Miguel Torga.

Um dia perguntaram a Karl Rahner se ele aceitava a promessa de um mais além e ele respondeu logo que sim.

É um sítio maravilhoso, não se conhece nada melhor, foi a minha mãe quem mo disse quando eu era pequeno.

Ponto final.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui