Opinião

A pouca vergonha nacional!

Uma crónica de Vera Esperança

- publicidade -

E quando acha que mais nada o pode surpreender no contexto da negociata da exportação de animais vivos eis que surgem imagens escabrosas obtidas dentro dos navios-estábulo. Eh, pá, isto é do pior!

Vários navios, várias viagens que vêm inviabilizar o clássico “foi uma exceção, foi só esta viagem, foi só este navio” e semelhantes desculpas de mau pagador que nos habituámos a ouvir por parte dos decisores políticos e produtores exportadores cada vez que um escândalo vem a público, seja ele um navio que virou por excesso de peso, um embarque pejado de ilegalidades ou, como agora mais recentemente, imagens inadmissíveis capturadas dentro dos navios e que chegam a público através da PATAV (Plataforma Anti Transporte de Animais Vivos, por via marítima).

E não, não é lá fora, meu caro, é mesmo cá dentro. Nas imagens são visíveis os brincos PT DGAV. Tratam-se de animais de origem portuguesa, cujos criadores tanto proclamam que os amam e cuidam, no final de contas os largam à mercê de transportadores inaptos e grosseiros. E refiro-me não apenas à tripulação, mas também às carcaças velhas que a lei permite que naveguem em águas territoriais portuguesas.

Nas imagens cedidas pela PATAV, pode comprovar que os animais viajam em barcos sobrelotados que nem se percebe se é prática ilegal, pois a lei permite coisas absurdas como providenciar apenas um metro quadrado por cada bovino ou o mesmo espaço para cada três ovinos. Pode ainda confortar-se e ver animais feridos, com os cornos partidos, animais a arfar, a babarem-se e com a língua de fora, deitados de lado (o que num bovino é sempre indicador de que algo de grave se passa) ou cobertos de fezes, deixando claro e evidente que o plasmado no Regulamento (CE) n.º 1/2005 sobre a higiene a bordo é esquecido logo após as primeiras horas de viagem.

Sim, porque de acordo com o comunicado de imprensa da PATAV, a maioria das imagens foram recolhidas nos primeiros dias a bordo… quer imaginar o que se passa a meio e no fim destas viagem? Na verdade as imagens da Israel Against Live Shipmets regularmente divulgas através do seu facebook dão-lhe uma pequena ideia do estado em que estes animais chegam ao seu destino –  desidratados, sujos, feridos e cegos (a cegueira certamente só ocorre mais tarde, devido às concentrações de amónio que se acumulam ao longo de uma média de 10 dias).

Segundo o comunicado de imprensa, a PATAV vai disponibilizar estas imagens à comissão de inquérito recém-criada pelo Parlamento Europeu.

Não gostaria que surtissem o efeito desejado? Pense bem. É que se vai esperar que seja o parlamento português a por cobro esta pouca vergonha que a minha boa educação não me permite adjetivar, pode esperar sentado…

Recorde-se que em 2019 quando a petição da PATAV foi discutida na Assembleia da República, foi acompanhada por cinco iniciativas legislativas (um Projeto-lei do Bloco de Esquerda e outro do PAN e três Projetos de resolução – dois do PAN e um do PEV). À data foram todos chumbados, pois segundo o PS, PSD, CDS-PP e PCP tudo está bem…

Pergunto-me se manterão a sua posição depois de verem estas imagens.  

Pergunto-me se quem lê esta crónica vai manter a sua opinião depois de ver estas imagens…

Voltarei, porque, afinal, “somos todos iguais”.

- publicidade -

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo