DistritoDistrito SetúbalSeixal

Violador de menina na Amora pode ser condenado a 15 anos de prisão

publicidade

O Ministério Público vai pedir uma pena de prisão de quinze anos para Virgílio Mendonça, o homem que em Setembro de 2018 raptou e violou uma menina de 7 anos na Amora.

O confesso raptor e violador foi presente a juiz durante esta quarta-feira, no Tribunal de Almada, e irá conhecer a pena a que vai ser sujeito no próximo dia 13 de Março.

Virgílio Mendonça admitiu a culpa pelos crimes de rapto e violação agravada à menina de 7 anos no Seixal, durante a sessão a que foi sujeito no tribunal, e se for aceite a pena do Ministério Público, o agressor sairá da prisão quando a sua vitima tiver pouco mais de vinte anos de idade.

Na primeira sessão de julgamento que decorreu esta quarta-feira, confessou ainda que ao longo de grande parte da vida tem lutado contra a atração sexual por menores, desejos que, segundo o homem, se acentuam com a ingestão de álcool.
Ao longo das duas horas de sessão, o arguido começou por negar os factos, mas perante a versão da menor, apresentada pelo colectivo, acabou por admitir os crimes, sobre os quais a familia da vítima pede uma indemnização cível de 15 mil euros por cada um dos dois crimes de violação e 7,5 mil euros pelo crime de rapto.

A 1 de Setembro do ano passado, Virgílio Mendonça abordou a criança quando a menina estava a brincar num parque infantil junto às Piscinas da Amora, acompanhada por dois primos menores.

O agressor disse à menina que era seu familiar, fazendo com que o acompanhasse até um terreno descampado junto ao Estádio da Medideira, onde a violou e abandonou.

A menina foi encontrada por um popular na beira de uma estrada municipal, que a levou até à esquadra da PSP da Cruz de Pau. O violador viria a ser capturado depois de outro popular o reconhecer na zona, e ficou em prisão preventiva.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui