DestaquePolítica
Em Destaque

“Vão trabalhar, vão trabalhar” – diz André Ventura para manifestantes

Ventura manda manifestantes trabalhar.

- publicidade -

O candidato presidencial do Chega mandou hoje “trabalhar” dezenas que pessoas que se manifestavam contra a sua presença em Serpa, antes do comício inaugural do período oficial de campanha, no Cineteatro da localidade alentejana.

“Vão trabalhar, trabalhar!”, limitou-se a gritar André Ventura, em direção aos manifestantes, a maioria de etnia cigana e com cartazes antifascistas, ladeado por seguranças e com meia-hora de atraso face ao previsto.

“Beja foi [o distrito] escolhido para ser o início da caminhada presidencial pela razão que temos insistido: há um país em que metade trabalha para outros não fazerem nada”, afirmou, lamentando “privilégios e regalias injustificados nos últimos 45 anos”.

O líder do recém-criado partido da extrema-direita parlamentar classificou a sua corrida ao Palácio de Belém como “a maior ameaça ao sistema”.

“Não são ‘Grândolas’ cantadas lá fora por subsidiodependentes que nos vão fazer parar esta marcha. Perderam os debates todos e agora querem ganhar na rua”, continuou, referindo-se ao espetro político da esquerda, citando “comunistas e socialistas”.

Ventura não poupou críticas ao atual chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, “que andou com o Governo ao colo”, e ao primeiro-ministro e líder do PS, pela falta de medidas de “apoio a quem precisa neste contexto de pandemia” e de grave crise económica.

“Estamos fartos de ser sempre os mesmos a pagar e a trabalhar”, dramatizou, sugerindo que muitos dos manifestantes tinham chegado à porta do Cineteatro de Serpa “de “Mercedes e BMW ou em carrinhas do PCP”.

O deputado único condenou ainda a criação pelo Governo de um grupo de trabalho de combate ao racismo e a nomeação para o mesmo do ex-militante do BE Mamadou Ba.

Para Ventura, se se confirmar a hipótese de a candidata bloquista Marisa Matias desistir em favor da concorrente socialista Ana Gomes: “isso já será uma vitória porque destruímos a esquerda.

A meio do discurso do candidato a chefe de Estado, a cortina da boca de cena do anfiteatro serpense abriu-se e foi visível um esqueleto atrás de Ventura, naquilo que pareceu uma partida ao político, que não ligou e prosseguiu. Fonte oficial da candidatura disse à agência Lusa que tinha sido “um boicote”, uma vez que o espaço cultural é gerido pela autarquia, liderada pela CDU (PCP e “Os Verdes”).

Antes, o mandatário nacional do presidente do Chega, Rui Paulo Sousa, admitira “reduzir a campanha ao mínimo possível, mas estando presente em todo o lado”, em virtude do agravamento da pandemia de covid-19.

Na rua, continuaram mais de 50 pessoas em protesto contra Ventura, com cartazes e palavras de ordem como “25 de Abril sempre, fascismo nunca mais” e buzinadelas.

“Alentejo, terra da Liberdade”, “Não queremos RSI (Rendimento Social de Inserção), mas trabalho”, “Facho!” ou “Zeca, obrigaram-me a vir para a rua” foram algumas das inscrições nas tarjas e cartazes improvisados, vigiados por perto de duas dezenas de elementos da Guarda Nacional Republicana.

- publicidade -

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui