coronavírus

Turismo deve retomar na Primavera/Verão de 2021

- publicidade -

A 62.ª edição do Barómetro do Turismo do IPDT – Instituto do Turismo indica que o turismo só deve retomar, a nível internacional, durante a primavera e o verão de 2021. O barómetro teve 76 inquiridos que foram auscultados entre 8 e 15 de julho.

O nível de confiança médio no desempenho do turismo decresceu face ao último registo de fevereiro de 2020 com 70,5 pontos, para 47,3 pontos em julho de 2020.

tarot terapêutico

“Como esperado, os resultados globais do turismo nacional para o verão de 2020 vão ser fortemente penalizados devido ao impacto causado pela pandemia de covid-19”, cita o relatório.

O barómetro indica que 80 por cento dos inquiridos acredita que “em termos internacionais, a retoma deverá acontecer durante a primavera e o verão de 2021”.

A retoma das atividades deverá ser mais rápida a nível interno, já a procura externa indica “uma diminuição considerável” em 2020, prevendo-se, assim, “uma retoma acentuada a partir de abril de 2021”.

“Apesar da crise de confiança que afetou o setor das viagens, os portugueses devem continuar a viajar dentro do país, com a procura turística interna a manter-se muito próxima dos níveis registados em 2019”, conclui o relatório.

Apesar da crise, os inquiridos estão otimismo em relação ao mercado espanhol, assim, um em casa cinco inquiridos acredita que nos último semestre de 2020 se vão atingir os “resultados iguais ou superiores aos registados por este mercado no período homólogo de 2019”.

Em relação aos destinos de férias, as preferências são natureza (34%) e  praia (31,4%). Revelando-se, “o crescimento da procura por destinos de natureza e menos massificados devem ser as principais tendências de viagem até ao final do verão de 2020, em que a segurança sanitária terá um peso considerável na decisão de viagem”, explica.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui