AlmadaAtualidadeDistrito SetúbalMobilidadeSeixalSesimbra

TST critica falta de visão ‘verde’ no concurso de mobilidade da AML

publicidade

A TST (Grupo Arriva) pronunciou-se hoje em comunicado acerca do concurso de transporte rodoviário de passageiros na Área Metropolitana de Lisboa (AML) com críticas sobre a falta de visão de novas opções energicamente sustentáveis e dando a garantia de ir trabalhar para implementar novidades.

A TST ganhou o serviço nos concelhos de Almada, Seixal e Sesimbra, e afirma ter esperado «com muita expectativa» o lançamento do concurso internacional para o transporte nesta área metropolitana.

Segundo o comunicado enviado às redações, a TST garante que «ao longo dos últimos meses trabalhou no sentido de desenhar uma operação baseada numa transformação de paradigma que, por um lado, permitisse um serviço de alta qualidade às populações e ao mesmo tempo acautelasse aquilo que para a Arriva são as bases estruturais para o futuro: uma mobilidade energeticamente sustentável e a valorização dos trabalhadores, nas suas condições de trabalho e nos seus salários».

Para a empresa as opções “verdes” e energeticamente sustentáveis deviam ter sido tidas em conta na configuração do concurso, «não valorizando o que entendemos ser um tema cuja revisão será obrigatória no próximo concurso, e assim determinou a assunção de um risco inerente à evolução dos custos de combustíveis fósseis e dos veículos a ele associados».

Sobre a área geográfica que irá continuar a ser servida pela TST e «que tem associado um acréscimo de serviço bastante significativo» a empresa garante que irá «exigir alterações profundas nos sistemas de informação, frota, infraestruturas e na sua organização» e que «a implementação deste novo serviço contará com toda a equipa TST de forma a colocar ao dispor das populações um serviço de excelência».

Por fim, a Arriva/TST afirma que «será cumpridora dos seus compromissos de serviço público no que concerne à sua operação atual, trabalhando toda a equipa de gestão, no sentido de facilitar a transição de competências e conhecimento, privilegiando a continuidade da operação em segurança e do trabalho para todos os seus colaboradores».

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui