Destaque
Em Destaque

Tribunal de Setúbal nega recontagem em Palmela

O Tribunal de Setúbal negou esta sexta-feira os pedidos de recontagem dos votos das eleições autárquicas 2021 em Palmela.

- publicidade -

As eleições autárquicas 2021 ficam marcadas por vários episódios nunca vistos em terras do concelho de Palmela, os casos de ameaças aos candidatos e até alvo de tiros relatados por membros do CDS-PP de Palmela, foram os pontos mais altos destas eleições.

No passado domingo os cidadãos do concelho de Palmela foram chamados às urnas de voto, as eleições estavam longe de terminarem sem quaisquer incidentes, o que veio a acontecer, o Diário do Distrito teve conhecimento que houve votos que desapareceram, contagens trocadas e até mesas que ficaram sem elementos, como o caso de uma das mesas de voto em Palmela que ficaram sem qualquer representante, devido ao socorro a uma jovem que viria a desmaiar de tanto tempo estar à espera.

O dia prometia, já em Cabanas, freguesia de Quinta do Anjo, o nosso jornal teve conhecimento que uma patrulha da GNR esteve no local a medir desde a assembleia de voto até a um cartaz que ficou esquecido, sendo retirado posteriormente depois por funcionários da Câmara de Palmela.

Numa das mesas do Bairro Alentejano, também na freguesia de Quinta do Anjo, há quem acuse um elemento que estava numa dessas mesas de apelar ao voto e também houve erro na contagem de votos. Uma outra denúncia que chegou ao Diário do Distrito veio da União de Freguesias de Poceirão e Marateca, dando conta que uma candidata também apelava ao voto à porta da mesa de votos.

Já na mesa da Lagoa da Palha, a confusão foi grande, com o fecho de contagem já passavam das 23h30 de domingo, há quem acuse a organização das eleições de ter colocado pessoas inexperientes nas Assembleias de Voto.

CHEGA e Partido RIR apresentam pedido de contagem

O Partido CHEGA de André Ventura e o Partido RIR de Vitorino Silva, ambos partidos que concorreram nestas autárquicas em Palmela, apresentaram ambos requerimentos ao Juízo Local Cível de Setúbal, num documento a que o Diário do Distrito teve acesso, um dos partidos refere que na Assembleia de Voto 31, o seu partido teve zero votos para a Assembleia Municipal, referindo: “No âmbito dos trabalhos desenvolvidos pela Mesa de Apuramento Geral que teve lugar em Palmela, no passado dia 18 de Setembro de 2021, foi averiguado que existiram várias irregularidades”, adiantando que essas mesmas irregularidades “são muito graves”, prossegue “sabendo o Partido RIR de antemão que simpatizantes terão votado no nosso partido”.

O RIR pedia ao juiz a recontagem de todas as mesas do concelho. Já o Partido CHEGA solicitou junto daquele Juízo a recontagem dos votos à Câmara Municipal de Palmela, pois na recontagem que é realizada depois do dia das eleições, foram detetados 70 votos sem estarem contados, ficando o CHEGA a 9 votos de eleger um mandato na Câmara Municipal.

Tribunal indefere pedidos

Foi esta sexta-feira que o Tribunal de Setúbal se pronunciou sobre os pedidos realizados pelos partidos CHEGA e RIR, o despacho de seis páginas elaborado pelo Juiz 2, refere que apesar das irregularidades que ambos os partidos referem, que a Assembleia de Apuramento Geral não terá detetado outras irregularidades além da que consta em acta (do apuramento geral), e que as reclamações ou protestos deveriam de ter sido apresentadas na Assembleia de Apuramento Local, durante o processo de contagem dos votos, o que levou ao tribunal indeferir a reclamação apresentada por ambos os partidos.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo