Distrito SetúbalMobilidade

Transportes reforçados na Área Metropolitana de Lisboa

- publicidade -

A Área Metropolitana de Lisboa reforça a partir desta quarta-feira a oferta de transportes públicos, sobretudo de autocarros, permitindo que a capacidade fique a 90%, após uma decisão tomada numa reunião do Conselho Metropolitano da AML, que tem funções como autoridade de transporte, na sequência da redução do número de autocarros desde meados de março, devido à pandemia da Covid-19.

Na passada quinta-feira, o primeiro-secretário da AML, Carlos Humberto, informou que houve “um entendimento com os operadores” de transportes de que a partir de hoje existirá um “reforço significativo da oferta”.

Segundo o responsável, “a ideia é ter uma oferta de cerca de 90%” em relação à capacidade existente no mesmo período do ano passado, mas poderão haver reforços “naquilo que vier a ser preciso”, nomeadamente nas “linhas que trazem passageiros para a capital, Lisboa”.

Esta decisão foi tomada numa reunião do Conselho Metropolitano da AML, que tem funções como autoridade de transporte, na sequência da redução do número de autocarros desde meados de março, devido à pandemia da Covid-19.

No caso da Transportes Sul do Tejo, a empresa retomou vários horários e anunciou também a alteração do terminal da Praça de Espanha, conforme o Diário do Distrito noticiou.

No Metropolitano de Lisboa o reforço aconteceu logo no sábado com a duplicação da oferta aos fins de semana, durante o período diurno, nas linhas Azul, Verde e Vermelha, fazendo circular comboios de seis carruagens.

O Grupo Barraqueiro reforçou na segunda-feira os autocarros da Rodoviária de Lisboa, Mafrense e Boa Viagem, “com especial incidência nas horas de maior procura durante a manhã e tarde”.

Quanto ao transporte ferroviário, o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, garantiu na segunda-feira que a lotação da maioria dos comboios que circulam nas horas de ponta na Área Metropolitana de Lisboa (AML) está “abaixo dos 50%”, frisando que os “dados objetivos” não evidenciam responsabilidades dos transportes públicos na propagação da Covid-19 na região.

Já em relação à CP – Comboios de Portugal, o governante referiu que esta não tem capacidade para aumentar o número de composições em circulação na AML, mas ressalvou que está em estudo a possibilidade de alterações de horários.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui