Nacional

Tráfego de dados aumenta 9% e atinge máximo desde início da pandemia

- publicidade -

O tráfego de dados aumentou 9% na semana terminada em 24 de janeiro, face à anterior, “tendo atingido o valor máximo desde o início da pandemia”, divulgou hoje a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom).

“De acordo com a informação provisória disponibilizada pelos principais prestadores de comunicações eletrónicas, na semana de 18 a 24 de janeiro, semana em que foi restabelecido o dever geral de recolhimento domiciliário e em que foram suspensas as atividades letivas (22.01.2020), o tráfego de dados aumentou 9% face à semana anterior, tendo atingido o valor máximo desde o início da pandemia”, refere o regulador. 

“O tráfego de dados encontra-se agora 87% acima do contabilizado no período anterior à pandemia e 12% acima do verificado na segunda semana de pandemia (16 a 22 de março), semana em que se iniciou o primeiro estado de emergência”, acrescenta a Anacom.

Já o tráfego de voz cresceu 7% face à semana anterior, “situando-se 32% acima do verificado no período pré-covid-19, e 8% abaixo do valor atingido na segunda semana de pandemia (semana em que atingiu o seu máximo)”.

Face à semana anterior, “o tráfego de voz fixa e o tráfego de voz móvel aumentaram 10% e 6%, respetivamente”.

Já o tráfego de dados fixos subiu 10% e o dos dados móveis diminuiu 1% relativamente à semana anterior.

Durante o estado de emergência que teve início em 19 de março do ano passado, “o tráfego de voz fixa cresceu, em média, 53% acima da tendência de crescimento do período pré-covid-19, enquanto a voz móvel cresceu 36%”.

Após esse período, adianta a Anacom, “o crescimento atribuível às medidas excecionais e extraordinárias foi entre 46% e 47%, no caso do tráfego de voz fixa, e entre 34% e 38% no caso da voz móvel”.

O tráfego de encomendas postais cresceu 15% na semana entre 18 e 24 de janeiro, face à anterior. 

“O número de encomendas na semana em análise foi 23% superior ao registado” no período pré-covid-19, conclui o regulador.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui