Trabalhadores da CSP Componentes desmentem PCP sobre falta de medidas face a casos de covid-19

O comunicado da Organização Regional de Setúbal do PCP sobre a empresa  CSP – Componentes Semicondutores de Portugal, Lda. gerou várias reações dos trabalhadores, que desmente o que ali foi referido.

publicidadeGearbest Alfawise V8S Max UV Sterilization + Disinfectant Disinfection Wet and Dry Robot Vacuum Cleaner promotion
Tempo de Leitura: < 1 minuto

Após a publicação do comunicado que a Organização Regional de Setúbal do PCP por parte do Diário do Distrito, na qual a empresa  CSP – Componentes Semicondutores de Portugal, Lda. de não informar os trabalhadores perante focos de covid-19, vários destes contactaram o Diário do Distrito mostrando o seu desagrado pela informação veiculada também no site desta entidade.

«Sou trabalhadora da CSP que adoptou desde muito cedo um plano de contingência que inclui diversas medidas para minimizar os riscos de contágio, entre elas a medição de temperatura á entrada, o uso obrigatório de máscara, limitação do número de trabalhadores nos diversos espaços comuns, etc…» escreveu uma trabalhadora.

E acrescenta «dia 25.05.2020, após a confirmação dos 2 primeiros casos de Covid 19 na fábrica, e que aparentemente tiveram origem externa, por instruções da direção todos os meus colegas que pertenciam ao mesmo turno, foram contatados pela empresa e informados da situação, foi-lhes, também, dadas instruções para contactarem a Saúde 24 e seguirem as diretrizes da mesma, Apesar de apenas ter surgido mais 1 caso confirmado, a direção, esta quinta-feira, decidiu encerrar a fábrica até se proceder á desinfecção das instalações, a qual será efetuada este Sábado.

Estes são os factos que divergem em muito com a informação divulgada neste artigo.»

Outra trabalhadora apresenta os seguintes factos: «fui informada no domingo 24.05.20, dia de descanso para as minhas colegas (RH) sobre o seguinte assunto: há 2 colegas que fizeram o teste ao covid e deu positivo por isso tem de ligar para saude 24 e seguir todas as diretriz.
Foi isso que eu fiz e todas as colegas do 3 turno. Houve alguns casos que tiveram que fazer o teste em 6 /1 deu positivo resultado esse que saiu no dia 28.05.20.
A administração tomou as devidas medidas o melhor para nos trabalhadores.»

Da parte do Diário do Distrito, perante o comunicado de uma entidade que julgávamos fidedigna, avançámos na sua publicação.

Do facto de não termos devidamente assegurado a veracidade, nos penitenciamos.

E por fim só podemos dizer que ‘em política não pode valer tudo’.

publicidade

5 COMENTÁRIOS

  1. O diário do distrito já fez a sua “mea culpa” a esta publicação.
    Mas a dita fonte “fidedigna” devia também fazer a sua, pois esta publicação tem uma quantidade de difamações, calúnias e pura malícia para com a empresa e os seus trabalhadores.

    A entidade de onde provém esta travestia deve fazer um comunicado para explicar de onde surgiu estas “informações”

    Atenciosamente

    Rui Vieira

  2. O jornalismo não pode ser só escrever meia dúzia de linhas. O bom jornalista é aquele que para além de proporcionar uma boa leitura, faz um bom trabalho de pesquisa com o objetivo de divulgar a verdade. Assim, parabenizo o Diário do distrito, pela publicação deste artigo com o objetivo de repor a verdade dos factos anteriormente divulgados.
    Quanto á “fonte fidedigna”, infelizmente temos políticos para quem “vale tudo” na caça aos votos, não se importando com o impacto e consequências dos seus atos e afirmações na vida das pessoas.

  3. A minha irmã, trabalhou nessa empresa e temos várias amigas que lá trabalham… a empresa avisou as trabalhadoras entre sabado e no domingo, mandou-as ligarem para DGS, e ir trabalhar. Onde deveriam no meu entender ter suspendido o trabalho na segunda feira e ter logo desinfectado a empresa, pois os positivos eram do mesmo turno e o terceiro que se veio confirmar mais tarde também o é… e há mais pessoas com sintomas…está tudo com medo e quem disser o contrário, não fala verdade.
    Na segunda feira a minha amiga ficou até às 10h da manhã (à porta da empresa), com as colegas, pois estavam com medo de entrar, nada tinha sido limpo ou desinfectado, e é normal terem medo, tem filhos pequenos e algumas pais com alguns problemas de saúde…ainda por cima com o que se viu nas noticias sobre os armazens do continente, na azambuja e nas empresas à volta. Errado foi a empresa não ter fechado logo e feito a Limpesa a fundo…mas tambem dessa empresa já se espera muita coisa.

    Rita Lopes Brazil

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira o seu comentário
Nome