CulturaDistritoDistrito Setúbal

‘Ti Maria Albertina’ homenageia vereador do PSD do Montijo

- publicidade -

João Afonso, vereador pelo PSD na Câmara do Montijo teceu várias críticas quanto aos apoios dados para a edição do livro da autora que apresentou a obra literária comemorações do Dia Mundial da Poesia. A Câmara do Montijo convidou a poetisa, ‘Ti Maria Albertina’, para assinalar a data com a apresentação do seu livro que decorreu na Casa Mora ao que o vereador João Afonso avançou com críticas na sua página de Facebook e ainda comentando um vídeo onde aparece o presidente Nuno Canta e a autora a dançar. “É assim que a oligarquia clientelar comemora o Dia Mundial da Poesia (…), repito o Dia Mundial da Poesia. A clientela recebe mais um subsídio público – enquanto isso, as escolas não têm computadores nas salas – e em troca paga com mais uns votinhos “esclarecidos”. Tudo muito fofinho regado com um bom moscatel e acompanhado com umas miniaturas, e claro… tudo pago pelo povo. Viva a Cultura”, foi o comentário deixado pelo vereador da coligação PSD-CDS/PP.

Pouco tempo depois a resposta viria do lado da ‘Ti Maria Albertina’ que não deixou os seus créditos por mãos alheias e aproveitou a ideia do vereador social-democrata em expressar os seus sentimentos nas redes sociais, deixando um poema em homenagem ao vereador João Afonso d’Almeida que aqui deixamos:

Poema dedicado ao Dr João Afonso d’ Almeida de botins Pim Pim,

(E atenção, com todo o respeito que tenho, e sem qualquer ofensa, pelos “Almeidas” da minha Terra, pessoas que tanto prezo!)

Sou Pela Democracia | Tia Maria Albertina Natividade da Purificação

Será que humilhei alguém
Com a minha poesia
Não ando a enganar ninguém
Sou pela democracia

Liberdade de expressão
Que a arte também precisa
Se sou do povo poetisa
Mas se vem a castração
Viva a vossa opinião
Afinal como convém
Mas sou pessoa de bem
Amiga do meu amigo
Querem-me pôr de castigo
Será que humilhei alguém

Pois que viva a igualdade
E diz lá mal do que é meu
E diz também do que é teu
Afinal por ser verdade
Nem tens dó nem piedade
Dos que gostam quem diria
De toda a minha alegria
Banalizas muita gente
Que me acha muito inteligente
Com a minha poesia

Tens cá uma sensatez
Faz um abaixo-assinado
P’ró hospital do “mercado”
Aterra o Tejo de vez
E reduz-te à pequenez
Que o que eu digo é mais além
E gostam de mim por ser quem
Enfrenta-te na crítica
De tudo fazes política
Não ando a enganar ninguém

Meu Povo meu regozijo
A minha gente que enfim
Sinto que torce por mim
Então afinal exijo
Mais respeito p’lo Montijo
Deixa-te de heresia
Viva pois a maioria
Perdeste que humilhação
E assim foi a votação
Sou pela democracia


Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui