Parceiros
País

Teto máximo dos preços da eletricidade “não teve o efeito prometido”

A cooperativa de energias renováveis Coopérnico explicou em comunicado que o mecanismo ibérico que define um preço máximo para o gás natural usado para produzir eletricidade “não teve o efeito prometido”.

Numa nota enviada à Lusa, a entidade referiu que o regime, acordado pelos governos de Portugal e Espanha com a Comissão Europeia, “para fazer face aos preços elevados do gás nos mercados internacionais, teve como objetivo baixar as faturas de eletricidade para consumidores e empresas”, mas “tornou-se ineficaz”.


A Coopérnico defendeu que “a aplicação do mecanismo não teve o efeito prometido, era esperado um preço de energia entre os 100 euros/MWh e os 110 euros/MWh e que a compensação não iria passar os 10 euros/MWh,” mas, segundo a mesma, “o que está a acontecer na verdade é que a energia está com uma média de 160 euros/MWh e o mecanismo está a custar cerca de 120 euros/MWh, muito longe do prometido”, sendo que “o preço de aquisição de energia está a cerca de 280 euros/MWh no mercado grossista”.

No entanto reconhece que, “comparando com os preços noutros países europeus, com médias de preços acima de 300 euros/MWh, percebe-se que o mecanismo tem um efeito positivo, apesar de ter falhado as expetativas de uma redução maior de preço”.

A Coopérnico sublinhou ainda que “mais uma vez há uma diferença de tratamento entre a comercializadora regulada – SU Eletricidade -, que está isenta de aplicar o mecanismo de ajuste e os restantes comercializadores em mercado”.

Segundo a cooperativa, “não existindo essa divulgação prévia, relativamente a aplicabilidade deste mecanismo, muitos dos clientes serão apanhados desprevenidos pelas suas próximas faturas, visto este ajuste ser aplicado aos contratos celebrados ou renovados a partir do dia 26 de abril de 2022, tal como legalmente previsto”.

Em junho, a Comissão Europeia aprovou o mecanismo temporário ibérico para limitar o preço de gás na produção de eletricidade até 2023, com um orçamento na ordem dos 8 mil milhões de euros nos quais 2,1 mil milhões são referentes a Portugal.

“A Comissão Europeia aprovou, ao abrigo das regras de auxílio estatal da União Europeia, uma medida espanhola e portuguesa de 8,4 mil milhões de euros destinada a reduzir os preços grossistas da eletricidade no mercado ibérico através da redução dos custos de produção das centrais elétricas alimentadas a combustíveis fósseis”, informou o executivo comunitário em comunicado.

De acordo com Bruxelas, o mecanismo, que vai estar em vigor até 31 de maio do próximo ano, representa um apoio estatal português de 2,1 mil milhões de euros e espanhol de 6,3 mil milhões de euros em pagamentos através de subvenções diretas aos produtores de eletricidade para, assim, financiar parte dos seus custos com combustíveis fósseis, uma vez que na atual configuração do mercado europeu é o preço do gás que dita o da luz.


Sabia que o Diário do Distrito também já está no Telegram? Subscreva o canal.
Já viu os nossos novos vídeos/reportagens em parceria com a CNN no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!
Siga-nos na nossa página no Facebook! Veja os diretos que realizamos no seu distrito
Siga-nos no Feedly, carregue em seguir (follow)


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.