“Temos mais estradas alcatroadas, mais luz e mais espaços públicos”

Presidente da Junta de Freguesia de Pinhal Novo diz estar satisfeito com obras que foram realizadas ao longo dos anos na sua freguesia. O JCP ouviu fregueses que estão insatisfeitos e que dizem que as palavras deixadas pelo presidente da freguesia não correspondem à realidade

0
165
Manuel Lagarto satisfeito com a evolução da vila
Tempo de Leitura: 2 minutos

A intervenção do presidente da Junta de Freguesia de Pinhal Novo, Manuel Lagarto, não satisfaz a maioria da população da freguesia, na cerimónia do aniversário da freguesia, que se realizou no passado sábado, Manuel Lagarto deixou a sua satisfação pelas obras que a freguesia tem vindo a receber nos últimos tempos: “Hoje é um dia bom para refletirmos com aquilo que queremos para o Pinhal Novo que nasceu de ideias simples de ouvirmos os outros. Falar do Pinhal Novo é falar em modernidade, temos mais estradas alcatroadas, mais espaços com iluminação e mais lugares públicos”, referiu o presidente da junta de freguesia na sua intervenção.

O Diário do Distrito foi ouvir a população que não concorda com as afirmações do seu representante local, na zona da Carregueira, Adelina Candeias faz fortes criticas à atuação das entidades governamentais locais, “os senhores estão aqui no centro dos esquecidos, somos uma população rural às portas do centro da vila, e somos esquecidos em tudo, não temos passeios, não temos arranjos de bermas, temos lixo aos montes, vá lá que vieram por ali uma placa que não sei o que diz, porque não sei ler nem escrever, mas penso que aquilo seja a proibir alguma coisa do lixo” diz-nos um pouco alterada aquando a nossa questão sobre as obras.

Em outro ponto da freguesia, Lagoa da Palha, António Fernandes, levou a nossa equipa à rua 1º de Maio, rua do Agostinho e rua Júlio Dinis, ambas as ruas são caminhos de terra batida que dificilmente conseguem ver a máquina (Auto niveladora) que quando passa, passa a raspar a pouca terra que ali existe para tapar mais de uma centena de buracos. António Fernandes chama a esses buracos, os de feijão, que são semitapados, afirma que “a nossa junta de freguesia diz não ter dinheiro para arranjar os caminhos, e então o dinheiro que pagamos em impostos vai para onde?”, fica a pergunta para responder mais tarde.

Seguimos para a rua dos Ferroviários e Aceiro do Anselmo, ambas as ruas com várias dezenas de moradores e logo na entrada da rua dos Ferroviários conseguimos ver que o estado da via não é das melhores. Francisco Libertino é quem nos ouve a questionar sobre se concorda ou não com as declarações do presidente da junta, a resposta é pronta e curta: “Está aqui a obra que foi feita”, prossegue “se os senhores seguirem para o Aceiro do Anselmo e outros aceiros, olhe o exemplo, Aceiro do Miranda, vejam como estão”, para este morador a zona rural da freguesia já está esquecida há muito tempo.

“Lavaram-nos a cara agora com o aceiro dos Arraiados alcatroado até ao Costa, e vão agora fazer um arranjo no Aceiro do Marcolino que não passa trânsito elevado. Os nossos políticos andam a brincar com a população até um dia”, esse dia é lembrado por este homem de 72 anos, “não viram o que aconteceu nas últimas autárquicas?”.

O Diário do Distrito ficou a saber ainda de que durante duas semanas as populações de Lagoa da Palha, Vale da Vila e Valdera estiveram com fraca pressão de água, problema esse que pelos visto já foi resolvido, mas como esses problemas existem muitos mais, os da acessibilidade são os maiores que já tem causado vários prejuízos nos carros dos moradores, mas a esperança de acessibilidades melhores aguardam-se para as populações rurais da freguesia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira o seu comentário
Nome