AtualidadeSines

Sines, Odemira, Aljezur e Vila do Bispo exigem retorno da pesca lúdica

- publicidade -

Os autarcas dos concelhos de Aljezur, Odemira, Sines e Vila do Bispo, abrangidos pelo Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, exigiram ao Governo o levantamento da proibição da pesca lúdica devido à pandemia de covid-19.

Num comunicado conjunto, os autarcas dos municípios de Odemira (Beja) e Sines (Setúbal), no litoral alentejano, e de Aljezur e Vila do Bispo (Faro), no Algarve, manifestam-se preocupados relativamente à proibição da pesca lúdica e consideram urgente o levantamento das restrições.

Além de fazerem “eco do sentimento das populações destes concelhos”, defendem que “a pesca lúdica deve ser encarada com uma atividade desportiva que ajuda a economia familiar” e que “contribui para manter a mente e corpo sãos”, pode ler-se no comunicado, enviado hoje à agência Lusa pela Câmara de Sines.

Os autarcas “exigem que, de uma forma responsável e ponderada, estas atividades possam ser retomadas no contexto de um desconfinamento responsável, se necessário faseado por freguesias, permitindo aos residentes voltar a pescar ou mariscar na sua própria freguesia”.

As câmaras entendem ainda que “o esforço coletivo que tem sido feito pelas gentes destes concelhos”, que se viram privadas “de uma série de atividades a bem de um motivo maior, a saúde e a vida humana, deve ser reconhecido”.

A missiva apela e tenta sensibilizar o Governo para “um desconfinamento gradual para a pesca lúdica, ainda que mantendo a proibição de circulação entre concelhos”.

“Esta medida, além da questão cultural enraizada nestas populações, é fundamental para o bem-estar de muitas famílias, numa altura em que, além das dificuldades financeiras, subsistem preocupações com a saúde mental de muitas pessoas”, reforçam.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui