Sindicato de Motoristas avança com greve de cinco dias

O Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias informa que será mantida a greve marcada para os dias 22 , 23, 24, 25, 26, 27 e 28 de Abril.

0
3297
DR
Tempo de Leitura: 1 minuto

O SIMM – Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias informa que, após plenário que decorreu esta manhã com os trabalhadores das empresas de transportes João Pires Internacional Transportes Lda e da Loartrans Transportes, em Vila Nova de Cerveira, decidiram manter a greve que terá início às 00h00 horas do dia 22 até às 23h59 do dia 28 de Abril.

Segundo o SIMM, «após a discussão dos motivos que levaram ao pré-aviso de greve e na ausência de abertura das empresas em darem resposta às reivindicações, estes decidiram manter a greve».

Os trabalhadores reivindicam: a restituição dos valores dos sábados dos últimos 3 meses do ano de 2018; o pagamento da diária por inteiro, independentemente do número de horas de trabalho efectivo (tal como acontecia antes da entrada em vigor da nova convenção); a implementação de uma diária que cubra o valor médio pago actualmente em ajudas de custo (diária+quilómetros), por forma a acabar com o pagamento ao quilómetro e ainda que nos recibos de vencimento seja mencionado em detalhe todos os valores pagos (prémios, subsídio, gratificações, ajudas de custo e as demais cláusulas de natureza pecuniária) e o pagamento da totalidade dos valores até ao dia 15 do mês seguinte.

O SIMM indica ainda que serão formados piquetes de greve junto das instalações das empresas, que acusam de «numa atitude de total desprezo pelas reivindicações dos trabalhadores nem sequer se mostraram disponíveis para reunir com os representantes dos trabalhadores e assim se também se poderem definir eventuais serviços mínimos bem como assegurar a manutenção e segurança das instalações, assim sendo o SIMM repudia desde já quaisquer acusações de responsabilidades por eventuais prejuízos para a empresa, que possam vir a decorrer desta greve».

O SIMM apela ainda «a que os trabalhadores em greve, o façam de forma ordeira e respeitadora da ordem pública, e acima de tudo não reajam a qualquer provocação».

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira o seu comentário
Nome