AtualidadeSetúbal

SIM alerta para urgência de ‘salvar’ o Centro Hospitalar de Setúbal

- publicidade -

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) manifesta num comunicado a sua «solidariedade e apoio ao esforço desenvolvido pelos Diretores de Serviço do Hospital de São Bernardo, na tentativa de se evitar o colapso de alguns Serviços Hospitalares».

Segundo o SIM, para a regularização do serviço deste Centro Hospitalar «é imprescindível e urgente garantir um financiamento adequado, o que terá que passar pela sua requerida requalificação em termos dos parâmetros em vigor e definidos pelo Ministério da Saúde».

O SIM aponta como problemas «o número insuficiente de médicos, e  outros profissionais de saúde, bem como  de equipamentos do CHS, são anteriores à pandemia, que apenas agravou e   evidenciou  a situação de desinvestimento que o mesmo tem sido vítima desde há dezenas de anos».

Na nota enviada à comunicação social, o SIM informa ainda que os Diretores de Serviço aprovaram por unanimidade uma moção, com medidas que querem ver implementadas, e que já foram apresentadas à Comissão Parlamentar de Saúde «e em breve irão ser mais uma vez apresentadas ao Governo através do Secretário de Estado da Saúde».

Estas medidas passam por:

– Atrair profissionais, não apenas através da correcta remuneração, mas também oferecendo condições de trabalho e de progressão e diferenciação profissional, sob pena de se ir assistir ao colapso de serviços, nomeadamente, a curto prazo, da Oncologia Médica e da Ginecologia e Obstetrícia;

– Melhorar as condições do atendimento ao doente urgente ou emergente, nomeadamente no Serviço de Urgência Geral, Urgência de Ginecologia e Obstetrícia, na UCI e Unidade de Cuidados Especiais Neonatais;

– Melhorar as condições dos meios complementares de diagnóstico e terapêutica (MCDT), tais como Patologia Clínica, Anatomia Patológica e Imagiologia, entre outros, que constituem pedra basilar do bom funcionamento de todos os Serviços do Hospital;

– Melhorar as condições do ambulatório e hospitais de dia;

– O funcionamento de alguns Serviços do CHS dependem do enorme sacrifício de muito poucos, pelo seu subdimensionados em recursos humanos médicos, e de outros grupos profissionais; 

– Evitar que a venda do Hospital do Outão possa ser condição vinculativa da realização de uma obra de ampliação, já incluída no Orçamento do Estado em vários anos, mas ainda não iniciada. A transferência dos Serviços do Hospital do Outão é complexa e não se resume a uma enfermaria de Ortopedia, pelo que a ser concretizada conforme foi anunciado, traria muitos mais problemas dos que os que ajudaria a resolver.»

- publicidade -

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui