AtualidadeLisboa

SIM acusa Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central de ‘atropelar’ direitos dos internos

- publicidade -

O Sindicato Independente dos Médicos acusa o Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central (CHULC) de «um inadmissível processo de pressão aos Médicos Internos das áreas afins da Medicina Interna, colocando em risco de inadequada assistência os doentes internados e em risco acrescido de erro/negligência».

Segundo o SIM «os Médicos Internos de Medicina Interna têm sido ‘compulsivamente motivados’ a prestar horas extra, ultrapassando já, em alguns casos, as 400 horas anuais, através de, nas palavras do Director Clínico ‘motivação compulsiva’ e com o reiterado desrespeito pelas minutas de escusa de horas, pela sua formação, descanso, saúde física e mental».

A situação é «desde julho do presente ano, do conhecimento do Conselho de Administração do CHULC, que prometeu informalmente a resolução da mesma».

Verifica-se nesta instituição hospitalar «por escalas frequentemente deficitárias, a alocação de apenas um ou dois Médicos Internos de Medicina Interna no Polo Curry Cabral, os quais são responsáveis pela enfermaria de Medicina (atualmente com cerca de 70 doentes COVID+) e a prestar apoio a todos os restantes doentes do pólo, das 20h às 8h diariamente, sem nenhum Médico Especialista em presença física», refere o comunicado do SIM.

Verifica-se igualmente a ‘motivação compulsiva’ de Médicos Internos de áreas afins da Medicina, para prestar apoio aos doentes COVID+, com desrespeito pelo plano de formação e a realizar trabalho além das suas capacidades e consequente risco de erro médico.

«É lamentável que depois de meses de espera e mais de um mês decorrido após a última reunião entre o Sindicato Independente dos Médicos e o CA, a situação se mantenha.

Assim, não resta outra possibilidade ao SIM que não seja a denúncia pública da situação e comunicar que irá fazer chegar essa situação à Ordem dos Médicos esperando que seja rapidamente resolvida, sob pena de responsabilidade do CA, por inacção pôr em risco a segurança dos doentes.»

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui