DistritoDistrito SetúbalJustiçaPaís

Setúbal é dos distritos com mais casos de violência doméstica

publicidade

O distrito de Setúbal ocupa a terceira posição na listagem dos distritos em que se registaram mais casos de violência doméstica segundo o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI).

Na listagem do Relatório que foi hoje entregue no Parlamento, cinco distritos concentram mais de 60% dos casos de violência doméstica: Lisboa, Porto, Setúbal, Aveiro e Braga.

Em termos absolutos Lisboa registou 5.981 casos, o Porto 4.614, Setúbal 2.458, Aveiro 1.804 e Braga 1.801 participações à Polícia de Segurança Pública e à Guarda Nacional Republicana.

No entanto, de acordo com o RASI de 2018, hoje entregue no parlamento, a violência doméstica contra cônjuge registou uma diminuição de 0,8% com 22.423 casos registados nas forças de segurança em 2018, menos 176 casos.

As participações registadas nas regiões autónomas representaram cerca de 7%, sendo que a taxa de incidência é mais elevada nas regiões autónomas com 3,9 nos Açores e 3,4 na Madeira.

No continente a taxa de incidência de violência doméstica foi de 2,5, destacando-se Santarém com a menor taxa (1,7) e os distritos de Faro (3,2), Portalegre (3), Setúbal (2,9), Lisboa (2,6), Porto (2,6) e Aveiro (2,5) com taxas superiores à média nacional que é de 2,57.

O relatório indica ainda que 78,6 % das vítimas são mulheres e 83,5% dos denunciados são homens e que em 53,1% dos casos a vítima é cônjuge.

Em 16,7% das situações é ex-conjuge, em 15,1% é filho ou enteado e em 5,4% é pai/mãe/padrasto ou madrasta e seis por cento dos denunciados têm idades entre os 16 e os 24 anos e quanto às vítimas 12,2% têm menos de 16 anos e 9,4% ente entre 16 e 24 anos.

O RASI dá ainda conta de uma diminuição de 8,6% da criminalidade violenta e grave no ano passado, em relação a 2017, conforme o Diário do Distrito noticiou.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui