Dezenas de pessoas invadiram esta manhã um barco da Transtejo, que devia fazer a ligação Seixal-Lisboa, estando a embarcação impedida de sair por excesso de passageiros, disse à Lusa uma fonte da Polícia Marítima.

Uma fonte adiantou ao Diário do Distrito que pelas 07h50, que a Polícia Marítima estava no local “a tentar acalmar os ânimos das pessoas”, além de que não foi cumprida a carreira das 8h10 e a das 8h30 atracou no pontão apenas às 8h34, o que levou a que largas dezenas de pessoas ficassem no cais.

Quanto aos utentes no navio S. Julião, com saída prevista para as 7h45 e que foi posteriormente invadido por utentes que entraram pela zona de saída do cais, o mesmo apenas viria a sair do cais pelas 9h30.

“Mas quando o Aroeira chegou, houve uma senhora que alertou os utentes para não entrarem nesse, porque senão o S. Julião não iria sair, uma vez que o mestre se recusava a isso por o navio estar com excesso de lotação, e as pessoas, mesmo com os atrasos a que estavam sujeitas, recusaram embarcar enquanto o S. Julião não saisse.”

No dia 10 de Dezembro a Transtejo emitiu um comunicado alertando para a possibilidade de problemas na ligação fluvial entre o Seixal e o Cais do Sodré, mas pelo menos desde 2015 que se verificam problemas nas várias ligações da empresa, levando os utentes a protestos e mesmo a uma petição para serem recebidos na Assembleia da República.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here