A manhã desta sexta-feira marcou o final do exercício Eurogendfor Livex que decorreu durante seis dias e reuniu elementos policiais de oito países, França, Itália, Países Baixos, Polónia, Roménia e Espanha, Lituânia e Turquia, este último na qualidade de observador, num total de 152 elementos.

DIÁRIO IMAGEM
DIÁRIO IMAGEM
DIÁRIO IMAGEM
DIÁRIO IMAGEM

O exercício foi organizado pela GNR nacional, que durante 2018 preside a Eurogendfor, e decorreu na Margueira, Cacilhas, e neste último dia contou com a presença de Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna e da presidente da Câmara Municipal de Almada, Inês de Medeiros, além de várias entidades nacionais e internacionais.

O Major General José Manuel Lopes Santos Correia, que esteve à frente das operações, agradeceu “a honra que deram à GNR pela vossa presença neste exercício” e explicou um pouco do percurso da presidência desta força durante o ano corrente.

O Major General destacou a importância deste tipo de exercícios “onde trabalhámos com forças nacionais, internacionais e locais, e ainda com a sociedade cívica, em seis dias de treino, interacção e troca de experiências, que irão servir para mitigar perigos como os do terrorismo” e terminou declarando que “foi um privilégio para a GNR trabalhar com forças com tanta experiência neste que foi um trabalho verdadeiramente fantástico”.

Eduardo Cabrita destacou o trabalho que a GNR tem vindo a desenvolver em cenários internacionais, como no Mali, Afeganistão e no Kosovo “e este exercício serviu também como uma demonstração desse trabalho.

Temos uma força de vanguarda preparada para agir no imediato e que está a afirmar a sua posição no mundo e no campo da defesa, em cooperação com as forças da União Europeia.”

Relativamente ao exercício, destacou tratar-se de “uma experiência do que podemos atingir quando trabalhamos em conjunto, para garantir a segurança, paz e ordem na Europa e não só, e também como enfrentar múltiplos desafios.”

Para o ministro “exercícios como este são cruciais para garantir a interacção entre as forças de segurança de vários países, e um excelente treino para situações em cenários reais de crise.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here