AtualidadeCulturaDesportoDestaqueNacional

Rock in Rio Lisboa adiado para 2022

- publicidade -

A 9.ª edição do festival Rock in Rio Lisboa foi de novo adiada mais um ano, para os dias 18, 19, 25 e 26 de junho de 2022, anunciou hoje a organização.

“Ao longo destes últimos 11 meses estudámos vários cenários e discutimos em grupos de trabalho, com as autoridades competentes, diferentes medidas que permitissem” concretizar o festival. Porém, “chegada a data limite para iniciarmos as montagens da Cidade do Rock, encontramo-nos ainda (…) em estado de emergência e sem garantias de que, em junho, estejam reunidas as condições” para concretizar o modelo original do festival, adianta o comunicado assinado pela vice-presidente do Rock in Rio, Roberta Medina.

“Nesse sentido, e porque a saúde e segurança do público são a nossa principal preocupação, adiamos a 9.ª edição do Rock in Rio Lisboa para o próximo ano, mais concretamente para os dias 18, 19, 25 e 26 de junho de 2022”, concretiza a mensagem.

A 9.ª edição do Rock in Rio Lisboa esteve inicialmente prevista para os dias 20, 21, 27 e 28 de junho de 2020, mas foi adiada, pela primeira vez, em abril do ano passado, para os dias 19, 20, 26 e 27 de junho deste ano, após o decreto do primeiro estado de emergência de resposta à covid-19. Na altura, a organização garantia igualmente a realização da edição de 2022, do festival.

Hoje Roberta Medina escreve que, “por esta altura”, a organização estaria “a preparar a entrada de materiais e fornecedores no Parque da Bela Vista [em Lisboa], para dar início à construção de mais uma Cidade do Rock”, envolvendo “diretamente mais de 17.600 pessoas e mais de 370 empresas que trabalham para fazer o festival acontecer”.

“Por esta altura estaríamos a todo o vapor a preparar mais uma edição do Rock in Rio Lisboa”, estimando a responsável que a iniciativa atrairia 20 mil turistas e geraria um impacto positivo para a economia superior a 70 milhões de euros.

O anúncio do adiamento do Rock in Rio Lisboa acontece dois dias depois de o festival Primavera Sound, no Porto, ter também adiado, por mais um ano, a edição inicialmente prevista para junho de 2020.

“Também nós sonhámos com um 2021 mais livre e continuamos a acreditar que, este verão, ainda poderemos sair à rua de mãos dadas. Mas para isso não podemos relaxar já”, prossegue Roberta Medina.

“É preciso um último esforço, para que seja possível à Cultura (setor que representa 4,4% do PIB da União Europeia) exercer um dos seus papéis mais importantes: além de revitalizar as pessoas, [cumprir-se como] um dos pilares fundamentais para a retoma do Turismo”, insiste a responsável do festival.

“Quando voltarmos a abrir as portas da Cidade do Rock, quatro anos terão passado desde a última edição, e três anos desde a festa épica na Torre de Belém. Se há uma coisa que podemos garantir neste clima de incerteza, é que a espera vai valer a pena”, assegura Roberta Medina.

O Rock in Rio Lisboa realiza-se de dois em dois anos, desde 2004, no Parque da Bela Vista, em Lisboa, onde é montada a Cidade do Rock.

Para a 9.ª edição estavam confirmadas, entre outras, as participações dos Foo Fighters, The National, The Black Eyed Peas, Post Malone, Duran Duran, Anitta, A-ha e Bush.

Os bilhetes já adquiridos para o festival “mantêm-se automaticamente válidos para a próxima edição”, garante o festival.

- publicidade -

“Em breve partilharemos mais informações dirigidas aos portadores de bilhetes, assim como novidades relativas ao cartaz”, conclui Roberta Medina.

O Primavera Sound, que se realiza anualmente no Porto, foi o primeiro festival a anunciar o adiamento da edição deste ano, tanto em Portugal como em Barcelona, onde surgiu.

Em Portugal, há vários festivais de música programados a partir de junho, entre os quais o Alive (julho), em Oeiras, o Super Bock Super Rock (julho), em Sesimbra, o Sudoeste (agosto), em Odemira, e o Paredes de Coura (agosto), no distrito de Viana do Castelo, mas os promotores querem saber em que condições os poderão realizar.

Em janeiro, associações representativas do setor iniciaram reuniões, com a tutela da Cultura, e a presença da Direção-Geral da Saúde, em busca de soluções para retomar a atividade após o confinamento.

O grupo de trabalho criado para analisar a retoma da atividade volta a reunir-se na sexta-feira.

O verão do ano passado decorreu sem os habituais festivais, estimando a Associação Portuguesa de Festivais de Música (Aporfest) uma perda de cerca de 1,6 mil milhões de euros, contra os dois mil milhões originados em 2019.

Artigos Relacionados

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui