Economia

Reprodução da sardinha atlanto-ibérica está bem e recomenda-se

- publicidade -

De acordo com a mais recente avaliação científica, a biomassa reprodutora da sardinha atlanto-ibérica aumentou cerca de 66% entre 2019 e 2020, estimando-se esse valor, para o início de 2020, em 344 mil toneladas.

O stock Ibérico de sardinha foi avaliado no final de junho de 2020 pelo CIEM (Conselho Internacional para a Exploração do Mar) o organismo científico internacional que apoia a comissão europeia, e os estados membros da União, no aconselhamento sobre o estado biológico da sardinha atlanto-ibérica, e as oportunidades de pesca, reunindo informação dos cruzeiros de investigação e dos desembarques em lota.

Este aumento de biomassa deve-se sobretudo ao recrutamento da geração de 2019, a mais abundante desde 2004, à grande redução das capturas, e à gestão da pescaria realizada.

Em 2020, e pela primeira vez desde 2009, a biomassa ultrapassa já o “trigger” MSY estando agora em “capacidade reprodutiva total”.

Portugal e Espanha acordaram em 2018 gerir a pesca da sardinha com base num Plano de Gestão e Recuperação, que conduziu a uma grande contenção nas capturas e a medidas adicionais de proteção de juvenis e de gestão da pescaria.

Estas medidas resultaram numa redução de 90% da mortalidade por pesca nos últimos 8 anos. A recuperação observada assentou em parte na grande redução do esforço de pesca que tem lugar desde 2012 e se acentuou a partir de 2014, e no conjunto de medidas de gestão decididas pelos dois governos (Imagem 1).

O parecer do CIEM seguiu o procedimento regular solicitado pela Comissão Europeia para 2021, e ainda, por solicitação dos governos de Portugal e Espanha, que em conjunto gerem esta pescaria, incluiu a revisão em alta do aconselhamento para 2020 tendo em conta os dados mais recentes das campanhas e da pescaria.

O IPMA está a estudar se as condições ambientais podem explicar este ano de exceção em relação à década anterior, ou se este foi resultado de ter aumentado a população reprodutora devido à importante redução do esforço de pesca, ou uma combinação dos dois fatores. Esta questão está intimamente relacionada com a possível transição entre regimes de recrutamento.

Importa ainda salientar a predominância de indivíduos jovens com baixo potencial reprodutivo, cuja sobrevivência é importante assegurar para um futuro de pesca sustentável, bem como a necessidade de ser mantido o esforço de monitorização constante desta espécie, e de assentar os mecanismos de gestão no aconselhamento científico.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui