Regime de Nicolás Maduro acusa Portugal de pôr em risco os portugueses na Venezuela

Em plena crise política, o dirigente venezuelano acusou alguns países europeus de colocarem cidadãos em risco.

0
176
Tempo de Leitura: 1 minuto

O presidente da Assembleia Constituinte da Venezuela acusou Portugal, Espanha e Alemanha de porem em perigo os seus cidadãos, ao reconhecerem Juan Guaidó como presidente interino do país.

“Condenamos o comportamento do imperialismo norte-americano, mas também condenamos e rejeitamos energicamente a atitude de alguns países da Europa, que pensam que podem vir meter as suas unhas na Venezuela”, disse Diosdado Cabello.

As declarações foram feitas durante um ato de recolha de assinaturas condenando as sanções e ameaças norte-americanas contra o Governo de Nicolás Maduro.

“Devo dizer-lhes que Governos como os de Espanha, governos como o de Portugal que chamam abertamente a uma intervenção militar na Venezuela, e que são capazes de reconhecer a um indivíduo, segundo eles, como presidente, estão pondo em perigo a vida dos nacionais, portugueses e espanhóis”, afirmou o dirigente do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV).

“O que aconteceria se esses nacionais espanhóis, portugueses e alemães, decidirem deixar a Venezuela e regressar aos seus países? Que aconteceria?”, perguntou Diosdado Cabello.

Para o dirigente venezuelano, os europeus “preferem chamar uma intervenção militar e porem em perigo a vida dos seus nacionais aqui na Venezuela”.

No passado dia 4, vários países europeus como Portugal, Espanha, França, Suécia ou Dinamarca, reconheceram Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, depois de Guaidó se ter proclamado presidente a 23 de janeiro, por considerar que Nicolás Maduro tinha usurpado o poder.

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira o seu comentário
Nome