Atualidade

Queixas no sector da saúde batem recordes em Janeiro no Portal da Queixa

- publicidade -

Janeiro foi o pior mês de sempre relativamente às queixas dos portugueses na área da Saúde, refere uma análise do Portal da Queixa, a quem chegaram quase 800 reclamações, naquela que foi a maior média diária de queixas dirigidas ao setor da Saúde, cerca de 25 por dia, e a maior parte sobre o Serviço Nacional de Saúde.

A impossibilidade de ser atendido por um médico e a falta de atendimento telefónico foram as principais queixas dos portugueses.

Na análise publicada pelo Portal da Queixa é indicado que «entre os dias 1 e 31 de janeiro de 2021, foram registadas no Portal 787 reclamações» e que este foi «o pior mês que há registo e um recorde em termos de reclamações diárias dirigidas ao setor da Saúde, uma média de 25 por dia.

Comparativamente com o período homólogo (janeiro de 2020), verificou-se um aumento de 73% do número de reclamações – com 455 queixas registadas, evidenciando todas as dificuldades que o setor enfrenta para dar resposta à pandemia de COVID-19.

A entidade com o maior número de reclamações recebidas foi o Serviço Nacional de Saúde que liderou o foco das queixas (com 186 reclamações registadas no Portal da Queixa), seguida pelos Hospitais e Centros de Saúde (142), em terceiro os Planos e Seguros de Saúde (135), em quarto os Grupos Privados de Saúde (115) e em quinto, as Farmácias (74).

As clínicas médicas registaram 29 reclamações, os laboratórios e analises clínicas um total de 28, seguindo-se os equipamentos e materiais de Saúde com 27 e as clínicas dentárias com 21 reclamações.

Os principais motivos de reclamação reflectem a falta de acompanhamento que os doentes precisam e a preocupação em não conseguir atendimento médico, seja presencial ou por teleconsulta.

A «impossibilidade de ser atendido por um médico» é o principal motivo de reclamação, gerando 36% das queixas dirigidas ao setor da Saúde e a «falta de atendimento telefónico» é a segunda causa mais apontada pelos consumidores, perfazendo 34.4% das queixas.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui