AtualidadeLeiriaNacionalPorto

“Quando isto acabar, como será o futuro?”

- publicidade -

As celebrações da Peregrinação Internacional Aniversária de 12 e 13 de Julho tiveram início pelas 21h30 com a recitação do Terço na Capelinha das Aparições, em várias línguas.

A este momento de oração, seguiu-se a tradicional Procissão das Velas, na qual participaram centenas de peregrinos.

Na homilia da Celebração da Palavra, no altar do recinto, D. Vitorino Soares, bispo auxiliar do Porto que preside a esta Peregrinação, começou por fazer referência à sua “estreia” em Fátima como bispo e agradeceu ao bispo de Leiria-Fátima, o cardeal D. António Marto.

D. Vitorino Soares interrogou-se sobre as inquietações que afetam a sociedade: “as incertezas, inseguranças, desconfiança, desemprego, o isolamento”.

“Quando é que isto vai acabar, como será o futuro?”, interrogou o bispo auxiliar.

“À impaciência e dúvidas do povo, o profeta Isaías responde que a Palavra de Deus não deixará de ser eficaz”, respondeu D. Vitorino.

Fazendo alusão ao texto da leitura bíblica do Evangelho, o prelado disse ainda que é importante que “a Palavra de Deus encontre um bom terreno, um bom coração” para produzir bons frutos.

“Os frutos são boas ações, para benefício de todos, porque cada um precisa do outro, todos precisamos de todos e todos e todos precisamos de Jesus Cristo”, disse o bispo.

D. Vitorino Soares pediu que “Nossa Senhora limpe e purifique” os corações de “tudo o que sufoca a Palavra”.

“Nesta hora de pandemia em que vivemos, saudamos Maria, nossa Mãe e invocamos a sua proteção e o seu aconchego maternal”, disse o presidente da celebração.

Amanhã, dia 13, às celebrações têm início às 9h00 com o Terço na Capelinha das Aparições e a Missa, pelas 10h00 no altar do recinto.

NOTÍCIA RECOMENDADA: Santuário de Fátima reza “por todos os bombeiros”

- publicidade -

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui