PS Barreiro esclarece sobre questões relativas à Quinta de Braancamp

Uma nota de imprensa foi emitida hoje pelo Secretariado do PS Barreiro na qual explica o posicionamento do actual executivo sobre o espaço, e apresenta uma informação sobre o adiamento da reunião extraordinaria que estava marcada para esta segunda-feira.

0
97
Tempo de Leitura: 2 minutos

O Secretariado do PS Barreiro emitiu esta terça-feira uma nota de imprensa, intitulada «A verdade oculta sobre a CDU e a Quinta do Braamcamp», na qual apresenta uma explicação sobre o posicionamento do actual executivo sobre o espaço, e também uma informação sobre o adiamento da reunião extraordinaria que estava marcada para esta segunda-feira, conforme o Diário do Distrito noticiou.

Segundo o PS Barreiro «durante a campanha autárquica, em 2017, os candidatos do Partido Socialista (PS) assumimos a nossa determinação em atrair investimento privado, salvaguardando a defesa do interesse público e apresentamos uma visão clara sobre as intenções para o território da Quinta do Braamcamp» informação divulgada de várias formas, incluindo sessões públicas com a população.

O PS Barreiro acusa depois «o PCP/PEV de lançar uma vergonhosa campanha de difamação e insinuação, escorada por um movimento cívico que – sem símbolo, mas repleto de oportunismo – se dedicou a vandalizar o espaço público, faltando às mais elementares regras de respeito democrático».

No comunicado pode ler-se ainda que foi realizado «um estudo de opinião aos Barreirenses que se consumou na aprovação quase absoluta dos inquiridos. Neste âmbito, 91,1% dos participantes consideram a requalificação deste espaço muito importante para o Barreiro e 76,5% concordaram com a construção de 5% para habitação, sendo o restante espaço ocupado para atividades de que todos possam beneficiar.»

Foi ainda solicitado «um parecer à associação ambiental ‘Quercus’ que concluí que ‘a requalificação da Quinta Braamcamp, é uma opção sustentável para a propriedade, permitindo uma valorização do património territorial, arquitetónico e ambiental da mesma’».

A nota de imprensa explica ainda que «esta já era opção política mais debatida na história do Concelho, mas decidimos não ficar por aqui. Exigimos a realização de reuniões com PCP/PEV, PSD, BE, PAN, MCI e CDS, com os presidentes de Junta de Freguesias, Clubes Desportivos, Movimento Associativo, Forças de Segurança e Proteção Civil e, por fim, mas não menos importante, foram realizadas seis sessões em Escolas Públicas e privadas do Concelho, envolvendo mais de 1000 alunos e a matéria foi alvo de discussão em dezenas de reuniões de Câmara e Assembleia Municipal, com intervenção do público e ainda de inúmeras declarações do presidente da Câmara Municipal do Barreiro, Frederico Rosa, bem como do vereador do Planeamento, Rui Braga.»

Relativamente ao adiamento da reunião camarária que estava marcada para ontem, a nota explica que «no dia 29 de outubro, cumprindo todas as disposições legais aplicáveis e dando cumprimento à palavra dada, foi convocada uma reunião extraordinária de Câmara para o dia 4 de novembro. Um prazo de 6 dias, três vezes superior ao exigido por Lei.

Não obstante, os eleitos do PCP/PEV, ameaçaram boicotar a mesma, afirmando que nenhum dos 18 membros da lista de vereadores poderiam comparecer na reunião, que se realizaria num horário absolutamente habitual nos últimos 20 anos.»

Segundo a nota «teria sido fácil aprovar esta proposta apenas com os votos do PS, no entanto, entende-se que este assunto é demasiado relevante para que se permita a quem quer que seja fugir à discussão.

Pelos motivos citados, o executivo optou por adiar a discussão para o próximo dia 11 de novembro.

Se é factual que a manobra de diversão não colhe, por ser sabido que maioria dos eleitos do PCP/PEV são políticos profissionais ou funcionários da sua estrutura partidária, por outro a transparência será para nós sempre um valor maior.»

Por último, o PS Barreiro afirma que «o futuro da Quinta do Braamcamp será decidido por todos. Mesmo aqueles que, escandalosamente, defendem hoje o contrário do que no poder desejavam executar.»

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira o seu comentário
Nome