AtualidadeDistritoLisboa

Presidente Fernando Medina e Vereadora da Cultura inauguram a 5 de outubro a Biblioteca de Alcântara

Abertura da 18ª Biblioteca da Rede de Bibliotecas de Lisboa decorre ao meio-dia

publicidade

A nova Biblioteca de Alcântara vai ser inaugurada no próximo dia 5 de outubro, às 12H00, pelo Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, e pela Vereadora da Cultura e das Relações Internacionais, Catarina Vaz Pinto. Trata-se da 18ª biblioteca da Rede de Bibliotecas de Lisboa, planeada e desenvolvida em linha com o Programa Estratégico Biblioteca XXI.

Espera-se que a nova Biblioteca de Alcântara venha a constituir-se como um centro cultural de proximidade, assente no livre acesso à cultura, à informação e ao conhecimento das comunidades locais, de todas as gerações. Entre as parcerias já firmadas, destacam-se as estabelecidas com a Junta de Freguesia de Alcântara, a Universidade Alcântara Sénior e a Associação Cultural Cusca – Cultura & Comunidade.

Alcântara – bairro operário e popular – foi justamente um dos centros republicanos de Lisboa, onde cedo se conspirou contra a monarquia, planeando-se formas de instaurar uma república em Portugal, o que viria a suceder a 5 de outubro de 1910.

Também durante o período da ditadura salazarista, Alcântara albergava vários grupos revolucionários, fortemente reprimidos pelo regime. Um desses brutais episódios viria a ficar na história, imortalizado na toponímia da rua onde hoje se localiza a nova Biblioteca: em 1961, na rua da atual biblioteca, o escultor e militante antifascista José Dias Coelho foi assassinado pela PIDE. Mais tarde, a rua mudaria de nome. Agora, volvidas quase seis décadas, a Biblioteca de Alcântara localiza-se na Rua José Dias Coelho, nº 29, e no dia 5 de outubro, uma exposição de pintura de Emília Dias Coelho, suairmã, vai ser também inaugurada na Galeria da Biblioteca de Alcântara, num edifício totalmente renovado, com terraço com vista para um jardim, onde figuram os espelhos-esculturas do artista plástico José Pedro Croft.

Localizada no Palacete dos Condes de Burnay – datado do século XIX – a reabilitação integral da Biblioteca de Alcântara esteve a cargo da CML, com projeto de arquitetura de Margarida Grácio Nunes, e recebeu uma Menção Honrosa na qualidade de Melhor Intervenção de Impacto Social do Prémio Nacional de Reabilitação Urbana 2020.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui