coronavírusDestaqueInternacionalNacional

Presidente da República diz que vacinação europeia “não correu bem”

- publicidade -

O Presidente da República considerou hoje que o processo europeu de vacinação contra a covid-19 “não correu bem” e que a União Europeia não pode ser “um somatório de egoísmos”, criticando posições isoladas sobre a vacina da AstraZeneca.

“Quanto à vacinação, eu devo reconhecer que não correu bem na Europa. Não correu bem, em primeiro lugar, quanto ao fornecimento de vacinas, não correu bem, patentemente. Não houve uma capacidade de produção e de entrega correspondente àquilo que era o contratado”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa, em resposta aos jornalistas, durante uma visita a uma escola básica, em Lisboa.

O chefe de Estado referiu que “isso teve consequências em todos os países da União Europeia, portanto, também teve em Portugal”, que agora terá de conseguir “no segundo trimestre um número suficiente de vacinas para recuperar o calendário que se atrasou”.

“Também não correu bem a posição dos vários países sobre a suspensão da vacinação. A União Europeia é uma união, não é um somatório de egoísmos. Portanto, não é correr bem cada um por si, isoladamente, tomar a decisão de suspender ou não suspender”, criticou, sem nomear nenhum Estado-membro.

Em relação a Portugal, o Presidente da República salientou que “a meta fundamental” é chegar a “cerca de 70% da população portuguesa vacinada” em “final de agosto ou começo de setembro”.

“Para isso é preciso que haja vacinas e é preciso que o ritmo de vacinação seja intenso. Não me pronuncio sobre outros calendários noutros países a uma escala global, prefiro pronunciar-me apenas sobre aquilo que é especificamente português e que é a meta desejada para Portugal”, acrescentou.

Marcelo Rebelo de Sousa informou hoje que já levou as duas doses da vacina da contra a covid-19, a primeira das quais foi comunicada no próprio dia, 12 de fevereiro: “Na altura não havia AstraZeneca, portanto, foi Pfizer, e já levei a segunda toma há duas semanas, vai para três semanas”.

Relativamente à suspensão da administração da vacina da AstraZeneca em vários países europeus – e também em Portugal, temporariamente, na semana passada, hoje retomada -, o chefe de Estado defendeu que a União Europeia deveria ter atuado “como um todo”, colocando a questão “de uma só vez” à Agência Europeia do Medicamento.

“É uma lição para o futuro. A Europa não pode ser o reino dos egoísmos e dos individualismos, tem de ser um projeto comunitário”, reforçou.

O Presidente da República assinalou que de acordo com a Agência Europeia do Medicamento “a vacina [da AstraZeneca] é segura, a vacina é eficaz, esta como as outras que estão a ser tomadas, portanto, não há problema em que realmente continue o processo de vacinação”.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui