Atualidade

Prémio internacional distingue Mamadou Ba como ativista de direitos humanos

- publicidade -

O dirigente da organização SOS Racismo Mamadou Ba foi hoje distinguido com o prémio internacional Front Line Defenders, atribuído a ativistas de direitos humanos em risco.

Mamadou Ba distinguido com prémio para ativistas de direitos humanos

Em comunicado, a Front Line Defenders, organização irlandesa de defesa dos direitos humanos com duas décadas de existência, justifica a distinção com a dedicação de Mamadou Ba à luta antirracista.

A distinção «aumenta visibilidade da causa e significa que a luta antirracista em Portugal não está isolada e encontra eco fora de portas», destacou Mamadou Ba, em resposta a uma pergunta da Lusa, na conferência de imprensa ‘online’ realizada esta tarde para apresentar os premiados deste ano.

«A distinção internacionaliza a luta antirracista em Portugal, aumentando a responsabilidade dos ativistas antirracistas, mas também coloca o país sob os holofotes mundiais.»

Além de Mamadou Ba, outros cinco defensores dos direitos humanos foram distinguidos: a brasileira Camila Moradia, que presta assistência a mulheres nas favelas do Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro; Aleh Hrableuski e Siarhei Drazdouski, por defenderem as pessoas com deficiência na Bielorrússia; Aminata FabbaChair, que luta pelo direito à terra na Serra Leoa; Sami e Sameeha Huraini, que escoltam crianças para a escola, tentando protegê-las dos ataques israelitas na Cisjordânia, Palestina; e a organização ambiental Mother Nature (Camboja).

Em comum, todos «enfrentaram várias formas de perseguição, intimidação e ameaças» e alguns foram mesmo violentados, detidos e acusados, menciona a Front Line Defenders, que indica ainda que «todos responderam com dignidade, elegância e determinação, demonstrando uma coragem incrível».

A cerimónia de entrega dos prémios, que geralmente decorre na câmara municipal de Dublin, a capital irlandesa, vai realizar-se este ano ‘online’, devido às restrições impostas pela pandemia, no dia 9 de dezembro, na véspera do Dia do Direitos Humanos.

Em Portugal, a SOS Racismo vai assinalar a distinção na sexta-feira, no Palácio Galveias, com a presença da diplomata Ana Gomes.


Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo