Distrito Setúbal

Politécnico de Setúbal renova galardão Eco-Escolas

publicidade

O Instituto Politécnico de Setúbal, com as suas cinco escolas, receberam a distinção Eco-Escolas pelo conjunto de boas práticas ambientais desenvolvidas ao longo do ano letivo 2019/2020, com o envolvimento da comunidade académica e local.

O IPS volta assim ser reconhecido pela aposta na educação para o desenvolvimento sustentável pela Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE), gestora em Portugal deste programa internacional.

“Segundo Carlos Mata, pró-presidente do IPS para a Responsabilidade Social, “a renovação do galardão Eco-Escolas representa o reconhecimento do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pela comunidade IPS por um campus mais sustentável”. O responsável sublinha também, e apesar dos condicionalismos causados pela pandemia, a continuidade, noutros moldes, da intervenção do IPS nas áreas dos resíduos, água, energia, mar, mobilidade sustentável e vida saudável”, cita a nota de imprensa.

O objetivo é apostar cada vez mais na sustentabilidade e o IPS “prevê lançar uma plataforma de gestão de boleias e outra na área do voluntariado e, até final do ano, a instalação de vários ecopontos, para além da plantação de mais árvores e da montagem de caixas-ninho, como forma de promover a fixação de mais espécies avícolas – cinco delas com nidificação confirmada nos espaços verdes do IPS – e o aumento da biodiversidade no campus de Setúbal. Encontra-se também em fase de conclusão um site sobre as aves observáveis no campus de Setúbal do IPS e na sua vizinhança, um total de 54 espécies já identificadas”, explica.

As ações nas infraestruturas do IPS são também uma prioridade, uma vez que está “igualmente empenhado em melhorar o seu desempenho ao nível da eficiência energética, nomeadamente através da substituição progressiva da iluminação convencional por LED, que já cobre boa parte do campus, e em garantir condições para fazer a monitorização de todo o impacto ambiental da comunidade académica, no que respeita a resíduos e consumos de água e energia”, conclui.  

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui