AtualidadeDestaqueInternacional

Polícia britânica deteve possível mandante da morte do rapper Mota Jr.

publicidade

As autoridades inglesas já informaram a Polícia Judiciária que detiveram um suspeito que acreditam ser o mandante da morte do rapper Mota Jr. A detenção realizada pela polícia britânica é a um homem de seu nome João Luizo, tem 26 anos e foi detido em Manchester, onde permanecia escondido há já várias semanas.

O agora detido tinha como objetivo o roubo e apoderar-se dos bens e dinheiro da vítima. Mas tudo correu mal para o grupo de assaltantes que acabaram por matar o rapper e deixar o corpo numa zona erma da Serra da Arrábida, na zona de Sesimbra.

Um dos suspeitos foi detido quando aterrou no Porto, a detenção foi realizada por agentes do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), João Luizo tentou escapar aos olhos das autoridades, vários mandados de detenção internacional foram emitidos, o agora detido sabia que corriam esses mandados e escondeu-se várias semanas na zona de Manchester, a fim de despistar as autoridades inglesas.

Foi inevitável a sua não detenção, que ocorreu e que agora espera ser extraditado para Portugal nos próximos dias. O primeiro suspeito foi detido a 26 de maio, vinha de Inglaterra e foi abordado pelo SEF.

Edi Barreiros, com 26 anos, fugiu para Manchester a 19 de março, quatro dias após o crime ser consumado, como refere o Correio da Manhã. Foi detido no Porto, e ficou detido preventivamente por ordem do juiz. Na audiência que teve no primeiro interrogatório, assumiu ter voltado para se entregar, mas as explicações dadas não convenceram o juiz.

Mota Jr. foi abordado num túnel de acesso a casa, onde morava com a mãe e irmão, dois homens encapuzados e armados abordaram o jovem. Outro esperava num carro que saiu a alta velocidade do local. O corpo viria a ser descoberto, a 18 de maio.

 

Ler mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui