Internacional

Papa Francisco envia carta de apoio a jornalista preso no Reino Unido

Papa Francisco escreveu uma carta ao jornalista que está retido no Reino Unido devido a denúncia no Wikileaks.

- publicidade -

O Papa Francisco enviou uma mensagem pessoal para Julian Assange, fundador da organização mundial de jornalistas e delatores, Wikileaks, que permanece numa prisão de máxima segurança no Reino Unido, à espera de uma possível extradição para os EUA por divulgar crimes de guerra.

A mulher de Assange, Stella Moris, publicou no seu Twitter sobre a “simpática” carta enviada pelo Papa, que foi entregue na cela pelo Padre da prisão de Belmarsh. Stella não revelou o conteúdo da mensagem mas agradeceu o apoio de todos os Católicos e Cristãos que lutam pela liberdade do jornalista.

Julian Assange continua preso no Reino Unido devido ao pedido de extradição dos EUA por acusações de espionagem relacionadas com as actividades do Wikileaks.

Alguns exemplos das suas denúncias foram os “War Logs” (registos militares) do Afeganistão e Iraque, os quais mostram diversos crimes e abusos perpetrados no contexto das respectivas guerras; o “Cablegate”, que dá a conhecer actos de espionagem americana em vários países, incluindo aliados, com base em revelações contidas em telegramas diplomáticos desde 1966; os emails de Hillary Clinton, os quais abordam polémicas variadas, desde a relação duvidosa entre a Fundação Clinton e Wall Street, ao conhecimento e possível conivência com o financiamento do ISIS e outras forças terroristas sunitas, por parte da Arábia Saudita e Qatar.

Desde então, Assange tem sido perseguido pela administrações Norte-Americanas; tendo-se exilando em 2017 na Embaixada do Equador, em Londres. Em 2019, após uma série de disputas com a Embaixada Equatoriana, esta cedeu à pressão, entregando-o à polícia inglesa.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui