AtualidadeInternacionalSociedade

Papa critica uso de crucifixo como amuleto ou adorno

Papa recitou a oração mariana a partir da janela do Palácio Apostólico no Vaticano.

publicidade

O Papa criticou este domingo, no Vaticano, quem faz do crucifixo um objeto decorativo ou de superstição.

“A cruz é um santo sinal do Amor de Deus e do Sacrifício de Jesus, e não deve ser reduzida a um objeto supersticioso ou a uma joia ornamental”, advertiu Francisco, perante os peregrinos reunidos na Praça de São Pedro para a recitação da oração do Angelus a Nossa Senhora.

Francisco sublinhou que a vida dos cristãos é “sempre uma luta” contra o espírito do Mal e que a cruz representa as atitudes que devem tomar.

“Certifiquemo-nos de que a cruz pendurada na parede da casa, ou a pequena cruz que trazemos ao pescoço, é um sinal do nosso desejo de nos unirmos a Jesus Cristo”, disse o Papa.

O Papa alertou ainda para a tentação de “fugir da cruz de Jesus”.

“A cruz é algo incómodo, um escândalo, enquanto Jesus considera a fuga da cruz o [o verdadeiro] escândalo, o que significaria afastar-se da vontade do Pai, da missão que Ele lhe confiou para a nossa salvação”, afirmou Francisco.

Francisco disse que a atitude de um cristão é “de tomar a própria cruz. Não se trata apenas de suportar com paciência as tribulações quotidianas, mas levar com fé e responsabilidade a dimensão de cansaço e de sofrimento que a luta contra o mal acarreta”.

A reflexão do Papa concluiu-se com uma oração: “Que a Virgem Maria, unida ao seu Filho no Calvário, nos ajude a não recuar perante as provações e os sofrimentos que o testemunho do Evangelho implica”.

A oração do Angelus é feita todos os domingos na Praça de São Pedro (excepto quando o Papa está ausente ou, pela morte deste, a Igreja está em Sede Vacante) a partir de uma das janelas do Palácio Apostólico, a residência oficial do Papa.

Às quartas-feiras, o Papa faz a sua Audiência Geral, que é suspensa no mês de agosto e retomada em setembro.

Este ano, a primeira Audiência Geral de setembro será feita a partir do Pátio São Dâmaso, dentro do Palácio Apostólico, com início às 9h30 do dia 2.

A participação é aberta a todos, sem necessidade de ingressos e será a primeira Audiência com os fiéis desde o dia 27 de fevereiro. Desde dia 11 de março que a pandemia obrigou que o evento semanal passasse a ser transmitido da Biblioteca do Palácio Apostólico, somente com a participação dos leitores em várias línguas e com transmissão pelos meios de comunicação social.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui