Atualidade

Pandemia levou ao aumento de 342% de pedidos de reembolso

A análise do Portal da Queixa revelou que os pedidos de reembolso aumentam 342% (1.167 queixas) em tempo de pandemia, entre junho e setembro.

- publicidade -

A análise do Portal da Queixa revelou que os pedidos de reembolso aumentam 342% (1.167 queixas) em tempo de pandemia, entre junho e setembro, em comparação com 2019 (264 reclamações).

Nas Companhias Aéreas os dados dizem que os principais motivos das reclamações são os pedidos de reembolso (50%) e os atrasos (9%). A TAP, Ryanair e a Easyjet são as empresas com o maior número de queixas, com 318, 278 e 111, respetivamente.

Em termos das Agências e Sites para Reservas de Viagens, os dados os principais motivos de reclamação reportados foram: pedidos de reembolso (49%), e falta de apoio (14%).

Na categoria das Estadias, “- que contempla clubes de férias, guias e passeios turísticos, hotéis e cadeias hoteleiras, motéis, pousadas e turismo rural e ainda sites de reservas de alojamento – “, os principais motivos de reclamação reportados pelos consumidores foram: pedidos de reembolso (38%), burlas (12%) e más condições (8%)“, pode ler-se na nota.

Neste ramo, o topo da tabela pertence ao Booking, com 130 reclamações recebidas entre 1 de junho e 28 de setembro de 2020 (aumento de 59% face a 2019).  Em segundo lugar está a Airbnb (35 reclamações).

Ao analisarmos o setor do Turismo, ficou claro o impacto da pandemia no normal funcionamento do mesmo. A maioria das reclamações está relacionada com constrangimentos, consequência da Covid-19. A grande parte das reclamações referem-se a pedidos de reembolso, seja porque o consumidor pediu o cancelamento do voo/reserva, ou porque o hotel/companhia aérea foi forçado a cancelar o serviço.”, referiu equipa de análise do Portal da Queixa.

 

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui