DestaqueDistrito Setúbal

Pandemia, Avante e violência. Os dez acontecimentos que marcaram o Distrito de Setúbal em 2020

O Diário do Distrito selecionou os dez acontecimentos que marcaram o Distrito de Setúbal em 2020, em pleno ano de pandemia.

- publicidade -

O ano de 2020 foi atípico e dos mais difíceis de que há memória. O Diário do Distrito selecionou os acontecimentos que mais tiveram impacto no Distrito de Setúbal durante este ano.

A chegada da Pandemia

Começou logo da pior maneira. Um vírus desconhecido denominado de Covid-19 surgiu na China e alastrou-se por todo o mundo, causando o caos na vida da população.

No Distrito de Setúbal o efeito foi o mesmo que no resto do globo: Veio o confinamento, perderam-se empregos, familiares e amigos. Mudaram-se os hábitos e fomos obrigados a utilizar máscara, manter o distanciamento e cumprir regras que nunca imaginámos.

Retoma dos empresários da restauração

Março de 2020 foi o mês do confinamento obrigatório para os portugueses. Teletrabalho, escolas fechadas, estabelecimentos comerciais encerrados, proibição de circulação, algo pelo qual ninguém esperava ou tinha vivenciado.

Após o período de estado de emergência determinado pelo Governo, o Diário do Distrito foi conhecer como se preparavam os comerciantes para esta regressar à atividade. Além disso, o nosso jornal ouviu também um empresário do sector da noite, os únicos sem autorização para reabrir.

Claro que os primeiros tempos após a reabertura não foram fáceis, uma vez que quase não existiram clientes. O setor da restauração foi um dos mais afetados e muitos estabelecimentos nunca chegaram a reabrir. Outros abriram, mas não aguentaram as despesas e foram obrigados a fechar portas.

Assassinato de Winston Rodrigues na Cucena

Apesar do confinamento e da pandemia, vários atos de violência ocorreram, infelizmente, pelo distrito. Em maio, um homem santomense foi assassinado no Bairro da Cucena, na Aldeia de Paio Pires, no Seixal, e o pai foi barbaramente agredido.

Sucederam-se as manifestações de dor por amigos e familiares, uma delas acompanhada pelo Diário do Distrito. Não há ainda informação sobre a detenção do homicida.

Mais recentemente, um homem foi abatido pela GNR em Fernão Ferro, no Seixal, durante a execução de um mandado de captura.

Alcatroamento e polémica na Fonte da Telha

Depois de alguns meses com país parado, eis que começa o alcatroamento do acesso à praia da Fonte da Telha no final de maio. Daí nasceram várias polémicas, principalmente entre os ambientalistas, que referiram que o alcatroamento em duna primária tratava-se de um “crime ambiental”, sublinhando ainda que esta intervenção contribuiu para o degradamento da paisagem.

Com o asfaltamento surgiu também um rumor que preocupou os milhares de visitantes daquela praia: O estacionamento iria ser pago. No entanto, o Diário do Distrito esteve no local e conversou com os responsáveis da obra, que desmentiram qualquer colocação de parquímetros.

Certo é que o tema do alcatroamento tornou-se discussão durante alguns meses e foi levado ao Parlamento, com o Ministro do Ambiente a anunciar que a Câmara de Almada terá de retirar o material betuminoso e substituí-lo por um pavimento mais permeável.

Poluição no Seixal e “guerra” entre autarquias

Em 2020 os atropelos ambientais voltaram à ribalta no Seixal, desta feita em Corroios, quando a Vala Real recebeu durante alguns dias descargas de águas poluídas, o que abriu uma “guerra” entre a autarquia do Seixal e de Almada, com acusações entre as duas autarquias. Na altura, o Diário do Distrito foi ouvir moradores e o presidente da Junta de Freguesia de Corroios sobre o assunto.

- publicidade -

Algum tempo depois, nova polémica com descargas poluentes oriundas da ETAR no Miratejo, para o rio junto ao Moinho de Maré de Corroios, em que novamente o autarca do Seixal apontou o dedo ao SMAS – Serviço Municipal de Água e Saneamento da Câmara Municipal de Almada.

A queda do Vitória Futebol Clube

No dia 27 de julho o Vitória Futebol Clube assegurou a permanência no principal escalão do futebol português, ao derrotar o Belenenses SAD por 2-0. No entanto, o pior estava para vir…

Pouco mais de um mês depois, os sadinos foram despromovidos ao Campeonato de Portugal (que equivale à terceira divisão), por incumprimento de requisitos financeiros impostos pela Federação, ou seja, existência de dívidas a clubes, jogadores, treinadores e funcionários.

O Vitória ainda tentou recorrer, mas o Tribunal Arbitral do Desporto (TAD) não deu provimento à providência cautelar dos sadinos. O nosso jornal realizou uma entrevista com o ex-presidente do clube, Paulo Rodrigues, que acabou por pedir a demissão um mês mais tarde.

Carlos Silva assumiu agora a presidência do Vitória Futebol Clube, mas o ano de 2021 vai ser decisivo para o futuro do histórico emblema de Setúbal.

Festa do Avante fez correr tinta por todo o país

É provavelmente o acontecimento do ano no Distrito de Setúbal. Em pleno ano de pandemia, o PCP resistiu às pressões e decidiu realizar a Festa do Avante! em setembro.

Foram protestos atrás de protestos, quer dos restantes partidos políticos, quer dos moradores da Amora. Além disso, os comerciantes daquela região também decidiram fechar portas durante os três dias da Festa do Avante, para se salvaguardarem de possíveis contágios.

Foi também organizada uma marcha lenta pela freguesia, onde os moradores mostraram o seu desagrado contra a realização evento, pelo que esperavam ser uma ‘enchente’ de pessoas de outros concelhos.

Tal como era previsto, a festa não contou com as milhares de pessoas que em outros tempos “inundavam” o recinto. O Diário do Distrito esteve presente na Festa do Avante! e foi possível comprovar que nem sempre se cumpriram com as medidas de distanciamento, principalmente durante a famosa “Carvalhesa”.

Aeroporto do Montijo, vai ou não vai?

Ao que tudo indica, vai mesmo avançar. O presidente do Conselho de Administração da ANA Aeroportos, José Luís Arnaut, diz mesmo que a empresa já está preparada para começar com as obras em abril de 2021.

Contudo, ainda existem alguns entraves… Está em causa o impacto ambiental pelas diversas ameaças para a avifauna e efeitos negativos sobre a saúde da população por causa do ruído. As autarquias do Seixal e da Moita ainda não deram o braço a torcer, sendo que a construção daquela infraestrutura está presa principalmente por estes detalhes.

Encerramento do Terminal Fluvial do Seixal para obras

O anuncio repentino do encerramento do Terminal Fluvial do Seixal para obras apanhou todos de surpresa. Foi criada uma carreira especial para os utentes serem transportados de autocarro para o terminal de Cacilhas, mas esta alternativa foi pouco utilizada pela população.

A Câmara Municipal do Seixal juntou-se aos utentes e protestou mais do que uma vez. Tentou arranjar alternativas e sugeriu de reutilização do antigo terminal fluvial para manter a ligação a Lisboa, mas esta hipótese não foi considerada pelo Governo.

Depois de 49 dias, a ligação fluvial foi retomada, a 14 de setembro. Foram realizadas obras de melhoramento, que incluem dragagem, colocação de novas estacas e a substituição do pontão de embarque e desembarque.

Vacina e uma luz ao fundo do túnel

Não é um acontecimento “exclusivo” do distrito de Setúbal, mas é um assunto que não podemos deixar passar. No dia 27 de dezembro foi vacinada a primeira pessoa em Portugal contra a Covid-19.

Este poderá ser o início do fim do pesadelo que vivemos em 2020. Como disse o Primeiro-Ministro António Costa, “agora temos a certeza de que há luz ao fundo do túnel”.


Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo