Opinião

Os sem abrigo

Uma crónica de Pedro Janes.

- publicidade -

Há muitas formas de medir o nível de desenvolvimento de um país. Mas hoje estou a pensar num em concreto, os sem abrigo.

A existência e o número de cidadãos nesta condição são por si, indicadores. Se forem feitos “censos” a estas pessoas, saberemos o seu nível de instrução, laços familiares, e mais, ficaremos ainda com melhor noção, do que leva a ser um sem abrigo.

Compreenderemos o que se tem de alterar, para que cessem de surgir novos casos.

Em entrevistas dos órgãos de comunicação social a estes cidadãos, surgem algumas pistas, no âmbito pessoal.

Podemos separar em dois grupos, o das causas raiz e o das circunstâncias potenciadoras.

Nas causas raiz, temos o desemprego, as doenças, as drogas, nas circunstâncias potenciadoras, laços familiares inexistentes, idade avançada, depressão.

A estas causas, temos também que acrescentar os fatores de apoio insuficientes, da sociedade e estado.

Este apoio insuficiente ocorre em várias fases, numa primeira, quando se permite que o cidadão entre num caminho descendente que o leva à rua. Numa segunda fase, quando nada se faz em tempo útil para retornar a pessoa a uma vida digna. Por fim, quando se desvaloriza a importância de acompanhar e preparar quem sai desta condição, para que a ela não volte.

Temos todas as ferramentas para resolver esta situação, só falta vontade política.


Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui