Órgãos sociais da Associação UNIV Senior de Palmela tomaram posse

Teve lugar hoje a cerimónia de tomada de posse dos órgãos sociais da Associação UNIV Sénior de Palmela, no Espaço Cidadão.

publicidadeGearbest Alfawise V8S Max UV Sterilization + Disinfectant Disinfection Wet and Dry Robot Vacuum Cleaner promotion
Tempo de Leitura: 2 minutos

Após ter sido oficialmente constituída a 14 de Novembro, teve lugar hoje a cerimónia de tomada de posse dos órgãos sociais da Associação UNIV Sénior de Palmela, no Espaço Cidadão, onde será também a sede desta entidade.

A mesa foi presidida pelos elementos da Comissão Instaladora, Adilo Costa, em representação da Câmara Municipal de Palmela, Carlos Marques Taleço, presidente da Fundação COI, e Susana Alves, da Sociedade de Instrução Musical de Quinta do Anjo.

“É um momento simbólico de instalação dos órgãos sociais” referiu Adilo Costa, vice-presidente da Câmara Municipal de Palmela, que explicou ainda que “os objectivos desta entidade são dar uma resposta sócio-educativa à comunidade sénior do concelho, embora pretendamos trabalhar também com os jovens, numa política intergeracional.

Temos de ter em conta que 19 por cento da nossa população é idosa e por isso é importante promover os seus direitos e iniciativas que levem à sua participação na vida do município. Este era um vazio que tínhamos neste território.”

A Associação UNIV Sénior de Palmela integra dez parceiros “num modelo único no país, agregando diversas entidades da rede social.

O que temos actualmente a nível nacional são unidades do género criadas pelas Câmaras, ou com um ou dois parceiros, mas neste caso, todos os parceiros estão em pé de igualdade, e podem colaborar à sua medida.

Temos as Juntas, temos as associações e isso irá permitir que as respostas educativas sejam elaboradas à medida das necessidades das diferentes populações deste concelho tão diferente, com cada qual fazendo a sua gestão, conforme as suas características.”

No entanto, apesar das vontades, este não foi um processo fácil, conforme referiu Adilo Costa.
“Para além do tempo que levou desde a ideia inicial, também a Câmara Municipal de Palmela teve de prestar contas ao Tribunal de Contas, e explicar a esta entidade de que não se estava a formar uma empresa municipal, o que levou meses.

Depois tivemos um dos parceiros, o Rotary Clube de Palmela que para o ser oficialmente tinha de estar constituído como associação, o que demorou o seu tempo porque é uma entidade dependente de uma outra internacional. No entanto, este tempo de ‘espera’ acabou por ser saudável porque levou a que todas as pessoas se conhecessem melhor.”

Outro problema colocado foi a designação “porque passou a ser ilegal intitular estas instituições como Universidades, pelo que a nossa primeira proposta de nome foi reprovada” explicou Carlos Marques Taleço.

“Apesar de tudo isso, esta associação foi construída com os pés bem assentes na terra. Agora vai iniciar-se o próximo passo, o processo burocrático de registos e licenças, e depois avançaremos para a organização das actividades”, referiu Carlos Marques Taleço.

Integram a Associação como sócios-fundadores a Câmara Municipal de Palmela, a Associação dos Idosos de Palmela, Carlos Taleço, a Fundação COI, as Juntas de Freguesia de Palmela, Pinhal Novo e Quinta do Anjo, o Rotary Club de Palmela, a Sociedade de Instrução Musical de Quinta do Anjo e a União Social Sol Crescente da Marateca.

publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira o seu comentário
Nome