Nacional

Observatório Nacional do Bullying registou 407 denúncias em 2020

- publicidade -

O Observatório Nacional do Bullying (ONB), criado há um ano por quatro psicólogas e uma advogada, registou 407 denúncias em 2020, a maioria por violência psicológica dentro da escola, com as raparigas a serem mais vitimizadas, foi hoje divulgado.

O ONB é uma iniciativa da Associação Plano i, fundada por um grupo de cinco mulheres, que se tem debruçado sobre as questões da violência de género, doméstica e no namoro.

tarot terapêutico

O observatório visa “mapear o fenómeno do ‘bullying’ em Portugal com base nas denúncias informais efetuadas por vítimas, ex-vítimas, testemunhas e pessoas que tiveram conhecimento da vitimização”.

O ‘bullying’ define-se pelo uso da força física, ameaça ou coerção para abusar, intimidar ou dominar de forma agressiva, e habitual, outras pessoas.

Em 2020, desde que foi criado, em 30 de janeiro, o ONB recebeu 407 denúncias, a maioria (67%) apresentadas por encarregados de educação das vítimas ou ex-vítimas.

As vítimas ou ex-vítimas são mais as raparigas (249) e os agressores mais os rapazes (211), com idades entre os 12 e os 13 anos. 

Na maioria dos casos (94,6%), tanto vítimas como agressores frequentam a mesma escola, onde o ‘bullying’ é exercido, sobretudo, presencialmente (74,20%). Na escola, são sobretudo o recreio (60,40%) ou a sala de aula (50,40%), os locais onde este comportamento é mais vezes identificado.

O tipo de violência mais apontado é a psicológica (92,10%), seguindo-se a social (66,60%), a física (50,40%) e a sexual (9,30%).

De acordo com os dados do ONB, quase metade (45%) das vítimas necessitaram de apoio psicológico, sendo que um terço queixou-se de dificuldades de concentração e tristeza. 

Acima de tudo, são o aspeto físico (51,80%) e os resultados académicos (34,90%) que levam, na perspetiva das vítimas, os agressores a cometerem ‘bullying’.

Quase metade dos casos denunciados concentraram-se nos distritos de Lisboa e Porto (45,20%).

Durante o primeiro confinamento generalizado no país por causa da pandemia da covid-19, entre março e abril de 2020, foram comunicados ao ONB quatro casos de ex-vítimas e um de uma vítima, que persiste desde 2017. 

Em 2020, as escolas estiveram encerradas entre março e abril, com o ensino a fazer-se à distância, só reabrindo em maio para os alunos dos 11.º e 12º anos com exames nacionais de acesso à universidade.

- publicidade -

O novo ano letivo começou em setembro, para todos os alunos, com aulas nas escolas. Contudo, devido ao agravamento da pandemia, foram suspensas em 22 de janeiro passado, por 15 dias. A 08 de fevereiro retomam, mas à distância.

O Observatório Nacional do Bullying tem coordenação científica das psicólogas Sofia Neves e Paula Allen, respetivamente presidente e vice-presidente da Associação Plano i.

Sediada no Porto, a associação organiza atividades e projetos de sensibilização, formação, educação, intervenção e consultadoria contra a desigualdade, discriminação, violência, exclusão e pobreza.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui